terça-feira, 24 de setembro de 2013

ATIVIDADES COMPLEMENTARES CIENTÍFICO-CULTURAIS

Mais um semestre letivo e novamente nos encontramos neste blog para ler novos textos, debater os temas com os colegas da área da Educação, mas acima de tudo, travamos um novo contato para ampliar nosso aprendizado. O tema do 2º semestre de 2013 está relacionado às mudanças na Lei que rege a Educação Básica de nosso país. Leia cuidadosamente os artigos a seguir e registre seu ponto de vista na área destinada aos comentários. Não se esqueça de colocar seu nome e RGM junto ao comentário, dessa forma a Prof.ª Ioshi Murata poderá acompanhar as produções de vocês. 

Ótimo trabalho a todos! 

Entre o direito e a obrigação

Obrigatoriedade do ensino não é determinante para o aumento das matrículas e para a permanência dos estudantes na escola

Meire Cavalcanti e Cristiane Marangon



        Com a aprovação do Senado Federal no dia 28 de outubro da Proposta de Emenda Constitucional 96 A/03, a educação passa a ser obrigatória e gratuita para crianças e jovens entre 4 e 17 anos de idade. Em uma leitura rápida e simples da questão, a força da lei pode parecer um caminho viável para a garantia dos direitos fundamentais da população brasileira.
         No entanto, entidades e especialistas criticam o modo apressado como o texto foi debatido e votado. Se, por um lado, é reconhecido que o acesso à escola desde os 4 anos de idade reflete positivamente no desenvolvimento escolar do educando, por outro, contesta-se a legitimidade de atribuir aos pais a obrigação das matrículas, como se o problema do déficit educacional brasileiro estivesse na demanda, e não na oferta. "O argumento para essa lei é que o pobre não vai à escola. Isso é uma falácia. É a escola que não vai até onde as crianças pobres estão", critica Vital Didonet, assessor da Organização Mundial para Educação Pré-Escolar.
        Ele afirma que a educação, em todas as etapas, e especialmente na educação infantil, é um direito e uma necessidade. A família trabalha fora e há crianças que ficam na rua ou em casa, brincando em espaços restritos, cuidando dos irmãos ou vendo TV. Na creche e na pré-escola, a criança brinca, tem acesso a materiais diversos, lê livros, conta com profissionais capacitados, vive dramatizações e recebe estímulos à fantasia. "Essas são coisas que qualquer criança, pobre, de classe média ou rica não terá se ficar isolada em um barraco ou em um apartamento", afirma Didonet.
         No entanto, se as famílias precisam da educação infantil e há filas por falta de vagas, não faz sentido responsabilizar os pais, sugerindo que eles é que estão descuidando da educação dos filhos. "Não se poderia dar um passo como esse, de mudar a Constituição, sem a mínima discussão. Essa lei tira o foco da responsabilidade do Estado e a coloca nos pais. Só que tudo isso, nacional e internacionalmente, deixa o Brasil numa posição escamoteada de que está cumprindo o seu dever. Creio que a solução não esteja na obrigação, mas na oferta com qualidade", pondera.
         Desde 1971, com a Lei 5.692, o Brasil tem como obrigatório o ensino dos 7 aos 14 anos. Em 2001, o Plano Nacional de Educação estabeleceu um ano a mais para o ensino fundamental, que passou a ter 9 anos de duração (dos 6 aos 14). Porém, a história recente do país aponta que apenas a obrigatoriedade do ensino não resulta diretamente em mais crianças na escola. Mesmo depois de quase 30 anos do estabelecimento da obrigatoriedade do ensino, o atendimento no Brasil beirava os 70%.  Só quando o Fundef surgiu, em 1996 (Lei 9.424/96), foi que a marcha rumo à universalização do ensino aconteceu, atingindo a marca de 97% dos indivíduos em idade escolar atendidos (segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, Pnad 2007).
          Fica claro, portanto, que não foi a obrigatoriedade o fator determinante do crescimento das matrículas, e sim a estratégia de política pública adotada - no caso, o financiamento, que estimulou estados e municípios a irem em busca das crianças que estavam fora da escola, já que cada uma representava mais dinheiro em caixa. Isso também mostra que a ação do Estado é decisiva e que, quando há oferta, os pais das classes mais pobres não se negam a matricular os filhos. "Esse discurso não é honesto. Dá a entender que eles não sabem da importância da escola, ou que precisam dela exclusivamente para evitar deixar os filhos presos no barraco ou longe de abuso sexual e trabalho infantil, o que não é verdade", afirma Didonet.
         Outro aspecto potencialmente negativo da aprovação da PEC 96 A/03 é que ela exclui da obrigatoriedade as crianças de 0 a 3 anos (etapa da creche). O texto vai contra todos os esforços das entidades e dos especialistas da educação infantil para dar unidade ao processo educativo de crianças de 0 a 6 anos. O objetivo era justamente consolidar essa fase da vida como uma etapa única (que se organiza por faixas de idade - creche e pré-escola -, mas que têm unidade de conteúdos e questões relativas aos cuidados).                     Colocada como não obrigatória, a creche perde força e segue no mesmo movimento em que se encontrava toda a educação infantil, o ensino médio e o EJA até agora: se a matrícula não é compulsória, o Estado se omite de seu dever de oferta.
Como a creche e a pré-escola ficaram por muito tempo sob responsabilidade da assistência social, eram vistas como espaços de alimentação, saúde, higiene e bons hábitos. A educação não era uma premissa. Com a LDB, em 1996, a etapa migrou (ao longo de três anos) para a pasta da educação. Com isso, creche e pré-escola passaram a ter como missão cuidar e educar os menores.
        "Hoje, com o avanço da psicologia, da psicanálise, da pedagogia e da neurociência, sabemos que os três primeiros anos de vida são determinantes na constituição da aprendizagem da pessoa, pois é nesse período que se formam as estruturas sinápticas cerebrais. A criança precisa de estímulos sociais, cognitivos e afetivos para a construção de valores, da autoimagem, da socialização e das condições de aprendizagem. A lei rebaixa a creche e colabora para o retorno da mentalidade de que essa é uma fase pouco importante", defende Didonet.
         E, se a questão em torno da obrigatoriedade fica no ombro dos pais, o debate sobre o direito à educação também deve acontecer em relação ao ensino médio. Afinal, de que forma poderá a família obrigar os filhos a irem à escola sem entrar, novamente, na questão da qualidade? "Quando se fala em obrigatoriedade, devem-se levar em conta as peculiaridades do adolescente e da criança como pessoas da informação. O Estado precisa criar medidas de sedução, ou seja, criar estímulos para que os estudantes - principalmente os adolescentes - possam frequentar as escolas de boa vontade, e não por imposição", pondera Motauri Ciocchetti de Souza, promotor da infância e juventude de São Paulo. "A escola deve ter qualidade suficiente para que o jovem não só se matricule, mas queira permanecer. E isso deve ser estimulado com o incremento dos cursos profissionalizantes, de forma a ser uma opção para entrada no mercado de trabalho", acrescenta. 
(Meire Cavalcanti e Cristiane Marangon)


Lei obriga pais a matricular crianças a partir dos 4 anos na pré-escola

        A partir de sexta-feira (5/04/13), o ensino se torna obrigatório entre os 4 e 17 anos. Os pais ficam responsáveis por colocar as crianças na educação infantil a partir dos 4 anos e por sua permanência até os 17. Já os municípios e os Estados têm até o ano de 2016 para garantir a inclusão dessas crianças na escola pública. Anteriormente, os pais eram obrigados a colocar as crianças na escola a partir dos 6 anos. 
       A alteração foi feita na LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional) por meio da Lei nº 12.796, de 4 de abril de 2013, publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira (5). Essa regulamentação oficializa a mudança feita na Constituição por meio da Emenda Constitucional nº59 em 2009.
  • Art. 6º
"É dever dos pais ou responsáveis efetuar a matrícula das crianças na educação básica a partir dos 4 anos de idade"
         A lei publicada hoje também "divide" a educação em três etapas: educação infantil, ensino fundamental e ensino médio -- anteriormente, havia citação apenas para o ensino fundamental e médio.

Pais podem ser multados

      Segundo o advogado Ariel de Castro Alves, da Comissão da Criança e do Adolescente da OAB, os pais podem ser multados se não respeitarem a nova legislação -- os valores podem ir de três a vinte salários mínimos segundo o artigo 249 do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente).
        "A lei dispõe que ela entra em vigor na data da sua publicação, [e por isso] os pais já têm o dever de procurar vagas para seus filhos a partir dos 4 anos na educação básica [a partir desta sexta]", explica Ariel de Castro Alves.
Existe também uma punição criminal no Código Penal (artigo 246) aos pais que abandonam a educação do seu filho. A pena é de multa ou detenção de 15 dias a um mês.
       Segundo o MEC, "a obrigatoriedade da educação básica dos 4 aos 17 anos decorre da Emenda Constitucional nº 59, de 11 de novembro de 2009. A mesma EC garante que a medida deverá ser implementada progressivamente, até 2016". E, completa: "Evidentemente, não há como dissociar a obrigação dos pais da existência de vagas, que deverá ser garantida até o prazo previsto na EC."
Para o advogado Flavio Augusto Antunes, especialista em direito educacional, a lei "antecipa" o prazo de cumprimento da Emenda Constitucional 59. Ele faz ainda uma observação: "Os gestores públicos terão de cumprir essa lei desde já, sob pena de se considerar crime de responsabilidade, no caso de negligência com sua implementação, conforme já dizia o artigo 5º, § 4º, da Lei nº 9.394/96 (LDB)".

Educação infantil

       Há também orientação sobre a avaliação da educação infantil. Não haverá retenção ou reprovação das crianças nessa etapa de ensino. A avaliação será feita "mediante acompanhamento e registro do desenvolvimento das crianças". Os ensinos fundamental e médio já possuem quesitos de avaliação consolidados por meio do Saeb, com a Prova Brasil e o Ideb que medem a qualidade da educação dessas etapas.
       Segundo a lei publicada hoje, "a educação infantil, primeira etapa da educação básica, tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança de até 5 anos, em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social, complementando a ação da família e da comunidade". Ficou estabelecido que a educação infantil será organizada de acordo com as seguintes regras:
  • Avaliação mediante acompanhamento e registro do desenvolvimento das crianças, sem o objetivo de promoção, mesmo para o acesso ao ensino fundamental;
  • carga horária mínima anual de 800 horas, distribuída por um mínimo de 200 dias de trabalho educacional;
  • atendimento à criança de, no mínimo, 4 horas diárias para o turno parcial e de 7 horas para a jornada integral;
  • controle de frequência pela instituição de educação pré-escolar, exigida a frequência mínima de 60% do total de horas;
  • expedição de documentação que permita atestar os processos de desenvolvimento e aprendizagem da criança.

Saiba quais são as 20 metas do PNE 
para a educação até 2020

Meta 1 - Educação infantil: Garantir vaga na escola pública para todas as crianças de 4 e 5 anos até 2016, e para 50% das crianças de até 3 anos até 2020.

Entenda

       A pré-escola é a etapa anterior ao ensino fundamental e compreende a faixa etária dos 4 aos 5 anos de idade. Antes da mudança na Constituição, o ensino fundamental era a única fase escolar obrigatória no Brasil. Depois da emenda, o ensino passa a ser obrigatório dos 4 aos 17 anos, incluindo a pré-escola, o ensino fundamental e o médio. É dever dos pais matricular seus filhos a partir dos 4 anos e obrigação das redes de ensino garantir a vaga para todos as crianças a partir da mesma idade.

      Os dados mais recentes do IBGE indicam que 1.154.572 crianças de 4 e 5 anos ainda estavam fora da escola em 2010.  Apesar do enorme contingente ainda excluído, a matrícula na pré-escola avançou significativamente na última década. Em 2000, apenas 51,4% tinham acesso a educação nesta faixa etária, patamar que saltou para 80,1% em 2010.

       Pacto irá garantir alfabetização de todas as crianças brasileiras até os oito anos de idade

        Os eixos principais são: garantir a alfabetização até os oito anos de idade; colocar as creches e pré-escolas em pleno funcionamento; e implantar português e matemática no contraturno das escolas de tempo integral

       Para garantir que todas as crianças brasileiras estejam alfabetizadas até os oito anos de idade ao fim do terceiro ano do ensino fundamental, o governo federal lançou, nesta quinta-feira (8), o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. O pacto é um conjunto de medidas na área de educação que terá investimentos de R$ 2,7 bilhões, até 2014, em capacitação, material didático e bolsas para cerca de 360 mil professores alfabetizadores.
        O compromisso foi firmado entre governo federal, prefeituras, governos estaduais e do Distrito Federal, com adesão de todas as secretarias estaduais de educação e de 5.270 municípios. As redes municipais e estaduais deverão aderir ao programa para receber recursos e o apoio técnico do Ministério da Educação (MEC).

Taxas de não alfabetização

      “Temos várias universidades trabalhando nesse projeto, material didático, a formação dos professores alfabetizadores. No Sul do País, as crianças na idade dos oito anos que não são alfabetizadas são 5%. No Nordeste, 28 % das crianças não aprendem a ler e escrever na idade certa”, disse o ministro da Educação, Aloizio Mercadante.
         A média nacional de crianças brasileiras não alfabetizadas aos oito anos é de 15,2%, mas há estados em situação mais grave, como o Maranhão, que conta com 34% de crianças não alfabetizadas na idade certa; e Alagoas, com taxa de 35%. O Paraná tem a menor taxa do País, de 4,9%, seguindo de Santa Catarina, com 5,1%.
       A presidenta Dilma Rousseff destacou a importância da alfabetização na idade certa para garantir a igualdade de oportunidades a todos os brasileiros. “O nosso compromisso é garantir que toda criança de até oito anos, que estuda em escola pública, tenha o domínio da leitura e da escrita, e conheça as primeiras operações matemáticas. Esse é o fundamento para se construir uma vida cidadã. É o ponto de partida para que todos os brasileiros tenham, quando chegar a hora, a oportunidade de competir, sempre em igualdade de condições”, afirmou.

Medidas

       A Portaria nº 867, de 4 de julho de 2012, que estabelece as regras do pacto foi publicada no Diário Oficial da União do dia 5 de julho. O principal eixo do pacto é a formação continuada de 360 mil professores alfabetizadores, que farão cursos presenciais com duração de dois anos. No primeiro ano, com ênfase em linguagem; no segundo, em matemática. Os cursos serão totalmente custeados pela União e oferecidos no próprio município no qual o professor trabalha. Os profissionais receberão uma bolsa para participar da atividade.
      A formação será supervisionada por aproximadamente 18 mil orientadores de estudo, capacitados em 34 universidades públicas do País, e selecionados dentro da própria rede pública, pela experiência em alfabetização e coordenação pedagógica. “São os melhores professores e mais experientes. São os professores dando aula para os professores”, salientou o secretário de educação básica do ministério, César Callegari.
       Além dessas ações, o MEC fornecerá o material necessário para garantir, a cerca de, oito milhões de alunos o processo da alfabetização plena nos três primeiros anos do ensino fundamental. Serão distribuídos 26,5 milhões de livros didáticos nas escolas de ensino regular e do campo, além de 4,6 milhões de dicionários, 10,7 milhões de obras de literatura e 17,3 milhões de livros paradidáticos. O pacto vai assegurar, ainda, uma pequena biblioteca em cada sala de alfabetização.
  • O programa prevê investimentos de R$ 2,7 bi em capacitação, material didático e bolsas para cerca de 360 mil professores até 2014.
       Outro destaque será a criação de um sistema de avaliação para medir o nível de alfabetização, para o qual professores e escolas serão capacitados. As escolas realizarão provas diagnósticas, além das aferições do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), aplicadas para o segundo e terceiro anos do ensino fundamental. A iniciativa vem suprir a falta de um exame oficial que indique se crianças estão sendo alfabetizadas ou não na idade correta.
Haverá ainda um sistema de incentivo a escolas e professores que mais avançarem no processo de alfabetização, que destinará, no primeiro ano, R$ 500 milhões para premiação.

Royalties

        Durante a cerimônia de lançamento, o ministro Mercadante, defendeu que os recursos provenientes dos royalties do petróleo sejam investidos em educação.
“A Câmara votou o Plano Nacional de Educação por unanimidade e estabeleceu que em dez anos deveríamos dobrar os investimentos em educação, chegando a 10% do Produto Interno Bruto (PIB). Mas, até o momento, não temos uma fonte de financiamento capaz de cumprir essa meta. O caminho era a riqueza nova que estamos descobrindo, a riqueza dos royalties do petróleo. Vamos agora, junto ao Senado, continuar lutando para que os royalties sejam encaminhados para a educação”, disse.
       A presidenta Dilma Rousseff classificou a iniciativa como estratégica para o País, sendo decisiva na diminuição das desigualdades sociais e regionais. “Nós não podemos ficar insensíveis à questão da desigualdade social. Está em jogo o futuro do Brasil. A insuficiência de aprendizado das crianças brasileiras da escola pública está na raiz da desigualdade e da exclusão. Nosso País só poderá se orgulhar de dar oportunidade igual para todos se esse pacto for cumprido de uma forma sistemática e obsessiva”, completou.

Fonte:


http://www.brasil.gov.br/noticias/arquivos/2012/11/08/pacto-ira-garantir-alfabetizacao-de-todas-as-criancas-brasileiras-ate-os-oito-anos-de-idade



238 comentários:

  1. Silvania C. Santos RGM: 5053/ 6° Letras25 de setembro de 2013 12:02

    Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Silvania C. Santos RGM: 5053/ 6° Letras25 de setembro de 2013 12:06

    Essa lei é um avanço no sistema educacional brasileiro, afinal, estudos científicos já comprovaram que o conhecimento adquirido nessa faixa-etária é importantíssimo para a formação do indivíduo. Todavia, devemos continuar protestando a favor de uma melhoria no salário dos profissionais da educação, além do maior e melhor investimento na educação pública desse país.

    ResponderExcluir
  3. Marcela de Andrade Costa - RGM: 6227 - 2º Pedagogia Noturno

    Garantir o direito à educação infantil não é somente criar vagas, vai muito além disso, deve haver uma mudança em toda a estrutura já existente, como a construção de novas instituições de ensino, contratação de novos professores, capacidade de se oferecer transporte escolar e merenda de qualidade, pensando também nos moradores de comunidades rurais, zonas periféricas e locas de difícil acesso, criando assim condições para que frequentem a escola.
    E mais importante que isso tudo é a necessidade de se oferecer um ensino de qualidade, com professores capacitados que atuem como mediadores e facilitadores no processo de ensino-aprendizagem, pois como afirma Piaget: "A inteligência precede a fala" portanto, é desde pequeno que se aprende, o professor deve colocar o aluno como sujeito ativo nesse processo, como protagonista na construção do seu próprio conhecimento, estimulando o desejo do aluno pelo "saber" para que este tenha o interesse e veja a importância e a necessidade de quando crescer continuar na escola, que ele veja ali uma oportunidade de mudança de vida.
    Garantir que a educação infantil seja um direito de todos os pequenos cidadão é um grande avanço para o país, porém, vai muito além da teoria, é preciso também assegurar condições ideais de aprendizagem, garantindo a merenda de qualidade, professores capacitados, transporte escolar principalmente para moradores de lugares de difícil acesso, salas de aula com número reduzido de crianças por professor, para que assim esse direito seja cumprido.

    ResponderExcluir
  4. Angela Vaz 6º Letras RGM: 5216
    Conforme o texto referente as novas leis implantadas para melhorias na Educação Básica, é de comum um acordo esta nova legislação, tem como principal foco priorizar a educação, uma vez que nos últimos anos vem com muita defasagem. Partindo deste pressuposto acredita-se com esta nova lei diminua o aumento de crianças fora do âmbito escolar. No entanto devemos sempre lutar ainda mais por estas melhorias, aumentar o salário destes profissionais, além de só investir em melhorias para a educação se cada um fizer sua parte quem sabe no futuro tenhamos uma grande mudança.

    ResponderExcluir
  5. Adriana Paes da Silva Carvalho RGM 5624 4º Ped Not.27 de setembro de 2013 12:04

    A lei número 12.796 que altera a lei que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Como novidade, o texto muda o artigo 6º tornando "dever dos pais ou responsáveis efetuar a matrícula das crianças na educação básica a partir dos 4 anos de idade"
    Uma lei que permitira as crianças cada vez mais novas se socializar fora do ambiente familiar, e ter o direito do estudo.
    Mas fica a pergunta: Onde ficaram essas crianças? Se as estruturas das Escolas não cabem todas as crianças o espaço físico das maiorias das Escolas não é adequado para receber crianças tão pequenas. Não temos professores suficientes em algumas redes municipais, merendas adequadas, entre outros problemas enfrentados.
    Outra pergunta que podemos fazer é: Quem respondera caso os pais não consiga matricular seu filho por falta de vaga nas Escolas? Segundo o advogado Ariel de Castro Alves os pais podem ser multados.

    ResponderExcluir
  6. Ligia Helena RGM: 6636 - 2° Ped. Matutino


    O grande problema dessa lei é onde incluir esses novos estudante? Será que têm recursos para atender essas crianças?
    Acredito que deve ser primeiramente a educação atual para que depois possamos falar desse assunto.

    ResponderExcluir
  7. Aline Turquett RGM 5441 6° Pedagogia B , Noturno .
    Essa lei é um grande avanço para a Educação Infantil e o ensino no País, pois é dever de todos frequentar escola e a faixa etária de 0 a 6 é essencial , pois é nessa fase que as crianças estão descobrindo o mundo e querendo sempre aprender mais e mais , com essa lei o Brasil já esta dando um grande avanço para educação mas precisamos de muito mais , como o reconhecimento dos professores, escolas melhores e ensino de qualidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você! Já programaram tudo menos o mais importante a formação e salário digno para os professores, que é a peça principal em nosso país, ou melhor no mundo, toda e qualquer educação vem de um mestre.

      Excluir
  8. RITA DE CASSIA SATIE MAEHIGA RGM:6228 2 Pedagogia Noturno
    Essa lei é realmente um grande avanço na educação,desde que haja seriedade em seu cumprimento,pois os pais querem um ensino de qualidade para seus filhos o quanto antes.Muitas vezes os pais são vencidos pelo cansaço,todas as vezes que vão em busca de uma matricula para seus filhos a resposta é sempre a mesma ; não há vagas.Com certeza se houver vagas , profissionais qualificados,estrutura,meio de transportes,merenda,materiais didáticos de boa qualidade essa lei vai ser um grande passo para o ensino de qualidade no Brasil.Mas acho que essa lei deixou um ponto de interrogação aos pais que tem filhos que precisão de inclusão,pois em nenhum momento ela se refere as crianças portadoras de alguma deficiência ,se também serão inclusas a essa nova lei,isso é lamentável,pois tanto se fala de inclusão nas escolas mas na hora de um passo tão importante na educação elas parecem não existir para a sociedade.

    ResponderExcluir
  9. Luciano Gomes RGM 5299 enviou o link de um blog para você:

    Enquanto os gestores e professores não tiverem a consciência de que vivemos uma realidade em que precisamos nos unir para conquistarmos algo que almejamos, vamos viver oprimidos pelas classes que já criaram essa postura.

    ResponderExcluir
  10. Jéssica Aline Sasaki - 6342 - 2 Ped M
    A Nova Lei da Educação tem como principal objetivo a obrigatoriedade de crianças de 4 anos estarem matriculadas nas escolas para que desde essa faixa etária, possam ser alfabetizadas. Acredito que é sim uma ótima proposta para a educação brasileira, desde que sejam propostos recursos para acolher essas crianças de forma que todas possam receber a mesma atenção dos professores e os mesmos recursos de aprendizado. Fiz uma pesquisa para a produção Orientada do primeiro Semestre de 2013, ministrado pela professora Cheila Aparecida Bragadin, e li uma pesquisa feita pelo MEC, onde continha informações que aproximadamente 1 milhão de crianças com a faixa etária de 4 á 5 anos não estão matriculadas nas escolas ainda. A partir desses dados, que possamos refletir sobre a seguinte pergunta: Onde colocar tantas crianças de forma que tenham conforto e recursos para serem alfabetizadas? O Brasil está preparado para essa lei? Será que as escolas estão realmente preparadas para esse tipo de educação, sendo que por ano, mais de 3 mil professores pedem exoneração do cargo ? Será que existem profissionais o bastante na área da educação para que essa seja transmitida de forma adequada e qualitativa para nossas crianças ? Não negamos que a lei tem um objetivo bom, porém na minha opinião, só poderia ser realmente vigorada, quando em nosso país, a educação for mais importante do que os estágio de futebol para transmitir boa imagem para países vizinhos. Precisamos de uma educação de qualidade com escolas que oferecem conforto e recursos materiais, além de escolas que possam acolher crianças especiais, e não de uma educação quantitativa para mostrar que os alunos não estão nas ruas fazendo qualquer coisa.

    ResponderExcluir
  11. De um lado os formadores de opinião ficam criando leis para a educação do outro lado a ECA cria leis que garante a estabilidade da criança e do adolescente. Gostaria de saber quem questionou essa criança sobre sua vontade ou dificuldade? Bruna Danieli pedagogia RGM 54446

    ResponderExcluir
  12. Acredito que o interesse primeiro em propor a obrigatoriedade de estudos a crianças a partir dos 4 anos infelizmente seja por uma questão estatística, para ao menos possuir até a data do censo escolar um número elevado de matrículas em todas as séries para exibir dados feéricos com relação a Educação brasileira, ou seja, os fatores pedagógicos estão desligados das motivações numéricas e os resultados são escolas com excesso de crianças com defasagem nos conteúdos e habilidades que deveriam ser trabalhados de acordo com sua fase de desenvolvimento por falta de preparo dos professores ou de mil fatores que agregam a mais esta atitude inpensada.
    Com toda certeza o fato de as crianças ingressarem na escola mais cedo é um ganho maravilhoso se bem trabalhado e planejado, pois assim elas podem iniciar a aprendizagem desde a infância o que propicia um melhor desempenho em todas as áreas (cognitiva, afetiva, social, etc), contudo ressalto que isso só é possível com um trabalho coerente com a faixa etária atendida.

    Beatriz C. Carnete 5134 - 6º Pedagogia A

    ResponderExcluir
  13. Com essa nova lei analisando mais profundamente, acredito ser de grande valia no desempenho da afetividade, do cognitivo, do social, do interativo e outros no ingresso das crianças a partir dos 4 anos. Porém, sabemos que nem todos os professores estarão habilitados para essa fase de desenvolvimento da criança na realização dos conteúdos e habilidades próprios dessa fase, e assim, esperamos ter escolas prontas ao atendimento da grande quantidade de crianças que irão ingressar nas escolas.

    Giane Yukie Kamata - 6º Pedagogia A

    ResponderExcluir
  14. Dayane Limongi RGM : 54895 de outubro de 2013 06:20

    É bom que o poder público se disponha a oferecer educação a partir dos 4 anos, mas seria ainda melhor se o Estado garantisse as vagas respeitando a liberdade das famílias,educando bem as crianças desde de novos, tanto na família quanto na escola, é fundamental para que o nível educacional de um país possa avançar. No Brasil, que sofre desde sempre com o descaso do poder público com o ensino e onde nem sempre as famílias podem oferecer, em casa, o estímulo intelectual e lúdico de que as crianças necessitam na primeira infância, a antecipação do início da vida escolar poderia ser vista como um ponto importante para uma virada em direção a uma sociedade mais bem-educada,de qualquer forma, cabe aos pais e à sociedade acompanhar de perto o ensino das pré-escolas, fiscalizando para que os investimentos no ensino infantil sejam colocados de forma eficiente, sem o comprometimento de todos, por mais cedo que as crianças entrem na escola, pouco se poderá avançar em direção a uma melhor educação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dayane Limongi RGM : 5489 Pedagogia 6° B5 de outubro de 2013 06:26

      É bom que o poder público se disponha a oferecer educação a partir dos 4 anos, mas seria ainda melhor se o Estado garantisse as vagas respeitando a liberdade das famílias,educando bem as crianças desde de novos, tanto na família quanto na escola, é fundamental para que o nível educacional de um país possa avançar. No Brasil, que sofre desde sempre com o descaso do poder público com o ensino e onde nem sempre as famílias podem oferecer, em casa, o estímulo intelectual e lúdico de que as crianças necessitam na primeira infância, a antecipação do início da vida escolar poderia ser vista como um ponto importante para uma virada em direção a uma sociedade mais bem-educada,de qualquer forma, cabe aos pais e à sociedade acompanhar de perto o ensino das pré-escolas, fiscalizando para que os investimentos no ensino infantil sejam colocados de forma eficiente, sem o comprometimento de todos, por mais cedo que as crianças entrem na escola, pouco se poderá avançar em direção a uma melhor educação.

      Excluir
    2. Aliani Teixeira Costa RGM: 5250 6º PED B
      É de suma importância que as crianças tenham experiências novas e educativas que só são oferecidas na escola. A lei vem assegurar esse direito. A intenção é maravilhosa, portanto mais do que isso é necessário um cuidadeo maior, a Lei existe, é dever dos pais matricular seus filhos a partir dos 4 anos e obrigação das redes de ensino garantir a vaga para todos as crianças a partir da mesma idade, mas onde essas crianças estão sendo inseridas? A escola e os profissionais estão preparados para recebe-las? Existe vagas para todas essas crianças? Muitas perguntas ficam no ar. É importante buscar respostas para esses questionamentos e assim garantir não só o direito, mas um ensino de qualidade para todas as fases que o aluno vem a percorer ao longo do período escolar

      Excluir
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  16. Raissa Alexandra Lopes Wanderlei, Rgm:6324, 2° Pedagogia- Matutino

    Esta nova lei tem como principal objetivo dar a oportunidade para que as crianças a partir dos quatro anos estejam inseridas no ambiente escolar.
    Levando em consideração as inúmeras contribuições que a criança tem quando inserida em um ambiente estimulante, onde ela já aprenderá a dividir e compartilhar brinquedos, a ter que dividir a atenção do educador, entre outras contribuições, podemos considerar que esta nova lei tem sim o seu lado positivo, porém quando nos deparamos com a realidade de nossa educação, percebemos de imediato que não levaram em consideração que já falta vagas para criança cuja os familiares precisam trabalhar e não conseguem vagas, ou até mesmo em periferias e comunidades onde não existe acesso a escolas.
    Antes de pensarmos em como será nossa futura educação, devemos organizar e qualificar a já existente, para então prosseguirmos.

    ResponderExcluir
  17. VANESSA T. SLUPKO RGM: 570211 de outubro de 2013 09:42

    O que acontece é que muitos municípios não tem ainda uma estrutura para atender a demanda de crianças e nem a adequação para recebê-las, é preciso uma política que realmente pense em um melhor atendimento e que comportem de forma digna as crianças. O que vemos é muitos alunos por sala, revezamento de turmas o que acaba comprometendo o ensino-aprendizagem delas. Tem que se investir na Educação Básicas dos alunos para eles terem um alicerce na Educação Fundamental que estão entrando mais cedo. É importante esse pacto nacional pela alfabetização, mas é preciso que realmente sejam alfabetizados e não só para apenas maquiar o índice de analfabetos no país, é interessante capacitarem os professores e tentar garantir que os alunos sejam alfabetizados e letrados, mas o mais importante é que os alunos saibam da importância da escola em sua vida, e que eles possam não ir à escola por obrigação, mais sim motivado por aprender e por saber que a escola tem uma significância em sua vida.

    ResponderExcluir
  18. A educação precisa de uma reforma política o mais rápido possível, pois estamos votando leis sem primeiro pensar em garantir que a aprendizagem do aluno seja feita com qualidade. Precisamos de espaços bem organizados profissionais bem formados e para isso os municípios precisam verificar o nível de aprendizado dos professores que estão ensinando de nossas crianças, e dar formação a fim de garantir que todos os alunos tenham o mesmo aprendizado. Se for para o bem da criança e os municípios garantirem que a permanência na escola será produtiva esta ou a favor de colocá-los na escola com quatro anos.

    ResponderExcluir
  19. Camila Romanoswki
    A educação deve ser de qualidade para todos os alunos desde a educação infantil, pois não vai adiantar colocar alunos de não haver pessoas compromissadas com a educação, devemos lutar para que alem de ter essa faixa etária de idade nas escola buscaremos fazer o melhor de nos professores.

    ResponderExcluir
  20. Eu espero que com todos os recursos e verbas que pretende dispor o Governo para auxiliar no cumprimento dessa nova lei, possa ser suficiente para todos os Estados e Municípios coloca-la em vigor, até 20016 onde o prazo é estabelecido por ele, pois enfrentarão grandes desafios para o seu cumprimento, visto que já falta escolas e funcionários em diversas áreas da educação para atender a grande demanda de crianças.

    Angelica Maria Rodrigues-RGM-6257

    ResponderExcluir
  21. Danielle Rocha Scalon RGM-6542
    2º Pedagogia Manhã

    Esta lei será para que as crianças desenvolvam melhor o seu cognitivo, mas nós futuros professores temos que ter em mente que esses alunos de 4 a 6 anos não devem ser alfabetizados, mas estarem em um ambiente alfabetizador. Porém podemos ver que o poder público ainda não está preparado para acolher tantos estudantes que chegaram a rede.

    ResponderExcluir
  22. Certo; uma lei que garante a educação á todas as crianças a partir dos 4 anos de idade, pergunto: onde estão as escolas, .os professores, equipe de apoio capacitados estruturas prediais adequadas isso me fez lembrar de um grande poeta que disse numa letra de uma musica Celebrar a juventude sem escolas
    As crianças mortas
    Celebrar nossa desunião
    Vamos celebrar a aberração
    De toda a nossa falta
    De bom senso
    Nosso descaso por educação (Renato Russo).
    rgm 5118 6ºA

    ResponderExcluir
  23. Camila Wieck Lima rgm 5831 4°pedagogia matutino

    Concordo com o amigo de rgm 5118, realmente o país ainda não está preparado para essa nova lei, mas acredito que isso foi um grande avanço no nosso país, porque a maioria das crianças que tem 4 anos de idade hoje em dia, são totalmente avançadas, já mexem com tecnologias, escrevem o próprio nome e muito mais... Nada mais justo que esses pequenos tenha um lugarzinho especial para eles desenvolverem as suas habilidades. É claro que ainda os municípios não tem estruturas para isso, pois foi fundamental esse primeiro passo, "o resto", como prefeitos, vão ser obrigados a garantir escolas e professores para os municípios. Enfim, para mim essa nova lei foi maravilhosa não só para as crianças como pais que vão ter um tempo para trabahar e professores que vão ter emprego.

    ResponderExcluir
  24. Com essa nova Lei é muito importante para a nossas crianças irem a escola, porem o país esta preparado? E também concordo com o Rgm 5118.
    Rgm 4966 6º A.

    ResponderExcluir
  25. Mayara Caroline Fialho Clemente, RGM: 6647, 2° Pedagogia - Matutino
    Está lei está dando novas experiências educativas para as crianças. É um dever dos pais matricular seus filhos a partir dos 4 anos e também uma obrigação da rede de ensino garantir vagas para todos. Mas o que acontece é que muitos municípios não estão preparados, precisam de espaços e profissionais com uma boa qualidade de ensino, e que as crianças sejam motivadas por aprender e saber a importância da escola em suas vidas e não ir a escola só por uma obrigação.

    ResponderExcluir
  26. A educação deve ser garantida por leis. São elas que tentam efetivar os direitos de crianças e jovens não só a educação, mas ao lazer, à saúde, entre outros. Porém, de nada adiantam as leis se elas não conseguem concretizar seus dizeres nas práticas escolares do dia a dia das escolas. Criar leis, mas não construir escolas que atendam as especificidades das diferentes faixas etárias com respeito e dignidade não diminui em nada a evasão escolar. Não se pode amontoar as crianças nas salas de aula. Muito coerente a formação continuada para os 360.000 professores alfabetizadores que atenderão esse público! Também muito importante a distribuição de materiais didáticos e livros para as unidades escolares. Mas eu gostaria de ver nas escolas (e em todas as escolas!) bons laboratórios, salas de informática (com professores e funcionando), anfiteatros, etc. Acho também que essas leis teriam que atender todo o território nacional, pois sabemos que há regiões tão esquecidas que falta o básico para a sobrevivência humana quanto mais para a formação digna do sujeito seja culturalmente ou na área da educação. Não concordo em se cobrar multa dos pais, pois quando é oferecida ao aluno uma escola que seja instigadora e interessante, motivadora e inovadora, ele com certeza não terá vontade de abandoná-la. Será que esse não é o ponto para se repensar quando se avalia o modo de ensinar na grande maioria das escolas pelo Brasil? Cobrar para que o aluno acesse e permaneça na escola é no mínimo atestar que falta atrativos para a criança gostar de estar na escola. Devo dizer que fiquei esperançosa com a sanção da lei que destina 75% dos royalties do petróleo para a educação. Espero que eles realmente cheguem e façam a diferença para TODOS os alunos!!!!!!!!
    Salete Aparecida Francisqueti dos Reis 6º PED A

    ResponderExcluir
  27. Tatiane Gama - 6º Letras - Rgm: 4934
    Do que adianta novas leis se o povo não está preparado!!! acho um absurdo ter que estabelecer uma lei para que os pais se concientizem da educação de seus filhos, se não mudar o pensamento, a lei só oficializara a obrigatoriedade, e a falta de interesse continuará do mesmo jeito, mas vamos ser otimistas.... ser for para melhoria, tudo é válido!!!!

    ResponderExcluir
  28. Gleice Soares 6º PED A- RGM : 493821 de outubro de 2013 08:52

    Essa lei tem como objetivo oportunizar as crianças com idade a partir dos quatro anos a ingressarem no ambiente escolar, assegurando os seus direitos. Acredito que seja um grande avanço na educação, porém ainda falta recursos e alguns municípios não estão preparados para essa mudança. Na minha opinião é preciso investir na qualidade de ensino e na valorização dos professores antes de criar uma nova lei.

    ResponderExcluir
  29. Vanessa Campos 6°Ped A 494523 de outubro de 2013 04:34

    Acredito que a educação deva ser garantida por leis e assegurar os seus direitos, desde que o país tenha infraestrutura para atender as famílias, pois não adianta criar novas leis e não garantir o acesso e permanência na escola. Não é justo delegar aos pais e responsabilidade, se ao chegar na escola não tem vaga. Espero que até 2016 quando a lei entrar em vigor que o problema esteja sanado sem que as crianças tenha seus direitos violados.

    ResponderExcluir
  30. ELIANA RGM 5491 LETRAS23 de outubro de 2013 16:48

    Acredito que esta nova lei, vem acentuar fortes debates, com afinidade de que os profissionais possam refletir sobre a educação no Brasil. É maravilhoso, ver as possibilidades que a lei implica em questão da obrigatoriedade dos pais, com seus filhos dos 4 a 17 anos na escola. Estas três etapas na vida da criança e algo que marca para sempre a aprendizagem, ou seja, iniciando no ensino infantil, fundamental, médio par que isso aconteça o aluno terá um ensino de qualidade, com excelentes profissionais. O principal engajamento começa com a família, a escola, e o governo esta parceria formará pessoas de valores no futuro.

    ResponderExcluir
  31. Angela rgm 5888 Pedagogia
    Acredito que tudo que é novo causa espanto, que a obrigação se faz necessária em alguns casos, pensando que no Brasil ainda ha crianças que sofrem abusos e que pode evitar que estas criança sofra maus tratos, a obrigação tem seus benefícios, a educação é direito de todos e dever do estado e da família visando seu pleno desenvolvimento, colocando a família e o estado com o mesmo dever, pensando assim já está como um dever, agora garantir o acesso desta crianças com qualidade é que precisa de discussão, não só a educação básica ,mais em todos os níveis da educação.

    ResponderExcluir
  32. Simone Bernardes RGM:486924 de outubro de 2013 05:09

    O principal objetivo da Nova Lei da Educação é a obrigatoriedade de crianças de 4 anos estarem matriculadas nas escolas para que desde essa faixa etária, possam ser alfabetizadas, e realmente o conhecimento adquirido nessa faixa-etária é importante para a formação do indivíduo. Porém de nada adianta se não houver uma boa estrutura por trás disso, quer dizer de que adianta obrigar os pais a matricularem os filhos com 4 anos se não há vagas, não há escolas, não há professores suficientes. É preciso rever alguns problemas já existentes, e só assim essa nova lei será um avanço na educação.

    ResponderExcluir
  33. Josenira Oliveira RGM: 5022 6º Pedagogia A

    Acredito que é muito importante existir leis que visam os deveres dos pais para com as crianças de 4 a 17 anos nas escolas, portanto é preciso observar, analisar mais o que acontece nos dias atuais nas escolas, as estruturas para uma boa adequação, professores capacitados para receber esta demanda de alunos e se realmente é feito o necessário por lei nas escolas. A crianças não deve ser vista como estratégias políticas e sim como futuros cidadãos democráticos e com igualdade para ser construir uma aprendizagem significativa, por isso é de grande valia a capacitação de professores.

    ResponderExcluir
  34. Lucineia Gomes RGM 527724 de outubro de 2013 09:59

    Realmente essa lei será muito bom para o país, mas desde que seja realmente feito de forma organizada,pois, vamos ver se terá escolas / vagas suficientes para receber todas essas crianças. Se não vai virá um caos, pois já encontramos salas super lotadas, professores desmotivados, pois alguns ainda tentam fazer um bom trabalho mas não tem reconhecimento, um professor com uma sala de aula com 35 alunos para alfabetizar, isso sem a aprovação dessa Nova Lei, só fico pensando como será a partir de agora? Só terá um resultado positivo para as crianças se investir mais nos docentes.

    ResponderExcluir
  35. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  36. Luana Gonçalves RGM: 5102 6º Letras

    A Lei esta ai, e deve sim ser usada, quem sabe assim desta forma nosso país não tem um avanço em questão ao nosso sistema educacional.Mas em questão a Lei que obriga pais a matricular crianças a partir dos 4 anos na pré-escola, acho satisfatório para melhorias na Educação Básica deixando como principal foco a priorização da Educação.
    Para si ter uma Educação melhor é válido incluir novas Leis, porém, é necessário recursos par atender estes novos estudantes.

    ResponderExcluir
  37. Laís Passarelli - RGM: 5779 - 4º pedagogia24 de outubro de 2013 15:39

    Que bom que priorizaram a aprendizagem a partir dos anos iniciais da criança, porém ainda não há como colocar em prática esta legislação visto que não há instituições escolares suficientes para atender a demanda.

    ResponderExcluir
  38. Regina dos Anjos Rgm:517025 de outubro de 2013 15:17

    Essa lei apresenta uma questão interessante, sabe-se que quanto mais cedo a criança tiver acesso à escola melhor para seu desenvolvimento cognitivo, entretanto como já foi postado por alguns participantes desse blog, “será que essa mesma lei abraçará todas as crianças”, isso porque como é percebível parece haver mais crianças do que escolas. Portanto fica uma reflexão, a lei nº 12.796 apresenta o que seria o ideal, todavia será que chegará a ser real?

    ResponderExcluir
  39. Marlene Barbosa - 6274 2° pedagogia

    Acho muito importante as crianças começarem mais cedo os seus estudos, porque esses pequenos são muito adiantados e conhecem melhor que ninguém um computador. Tem uma facilidade de ensinar até os adultos.
    O que é triste é que o poder publico não tem estruturas para acolher essas crianças. Lutei muito para consegui uma vaga para minha filha na idade de quatro anos, e acredito que é um sonho para essas crianças, que nesse novo tempo não tem a mesma liberdade que tínhamos quando éramos nós crianças.

    ResponderExcluir
  40. Nisleine Ascenção RGM: 5247 6°B- PEDAGOGIA27 de outubro de 2013 11:48

    Concordo que seja importante a obrigatoriedade de que as crianças ingressem na escola com quatro anos. No entanto, nossos governantes devem repensar a educação, pois observamos que muitos pais colocam seus filhos na escola o dia todo tudo isso muitas vezes por causa do trabalho. E a maior indignação é ver escolas como depósitos de crianças.
    É impossível uma criança se desenvolver em um ambiente superlotado, onde os professores acabam se desmotivando e dando suas aulas de qualquer jeito.
    Sou totalmente a favor dessa nova lei, porém a educação de nosso país necessita urgentemente de mudanças para que possamos ter um ensino de qualidade.

    ResponderExcluir
  41. MEU NOME É ADEVALDA PEREIRA DA SILVA RGM: 6355 SOU DO 2° PEDAGOGIA manhã
    quanto a essa nova lei o que se pergunta é se realmente terá vaga para todas as crianças. O discurso é bonito,mas e a realidade?
    Imagino o desespero de alguns pais que se preocupam com seus filhos,quando souberem que serão punidos se não matricularem seus filhos,e quando quiserem matricular não encontrarem vaga e ainda serem vistos como irresponsáveis por seus filhos não estarem na escola.
    Concordo plenamente que é uma forma de colocar a responsabilidade nos pais ficando assim o governo a oferecer possibilidades e os pais a recusarem.

    ResponderExcluir
  42. Amanda Morais rgm 5856 4º Ped Not29 de outubro de 2013 05:50

    Acredito que a nova lei é de grande importância , mas será que existem instituições suficientes e recursos adequados para essas crianças de 4 anos já ingressarem na escola? é preciso investir primeiramente na valorização do professor e na qualidade de ensino no Brasil, para que quando essas crianças entrarem na escola tenham uma aprendizagem significativa e um ensino de qualidade.

    ResponderExcluir
  43. Concordo com a colega Amanda a lei garante o direito dessas crianças, mas há escolas suficientes para receber essas crianças em condições adequadas? com certeza não, me parece que essa Lei vem com a ideia de estatística infelizmente!

    ResponderExcluir
  44. Valquiria Carvalho RGM: 4409 2º letras

    Acredito que criar leis seja fácil, difícil é criar condições adequadas para ela, já que os alunos que estão nas escolas não tem o atendimento necessário, para que criar uma lei antes de melhorar o que já se tem, falta tudo nas escolas, os alunos estão cansados de lousa e giz o mundo mudou e a escola continua a mesma de cinquenta anos atrás, nossos governantes parecem que vivem no mundo de Boby ou estão subestimando nossa inteligência, acho que é o mais provável.

    ResponderExcluir
  45. PRISCILA RODRIGUES - RGM:5292 - 6º PED B
    Em minha opinião contudo que li e ouvi aqui, pude perceber a importância das crianças entrarem na escola aos 4 anos de idade como obrigatoriedade dos pais matricularem, mas infelizmente não há escolas com vagas suficientes para atender toda a demanda. Faz-me refletir no meu TCC que fala sobre A falta de afetividade e a Exclusão Escolar, e um dos assuntos abordados é a falta de vagas para essas crianças, e de como são excluídas pela sociedade brasileira, porque se formos perceber quem sofre nessa história toda em sua maioria são as famílias de classe média baixa, pais que precisam trabalhar pra sustentar sua família, mães solteiras sem ter onde deixar seu filho para trabalhar e garantir seu sustento, crianças que necessitam de alguém que as ame, as cuidem, e carecem tanto de afeto, mas a necessidade de sustento torna-se maior e como essa criança está crescendo? com quem? onde? o que estão lhe ensinando se não está dentro da escola? Por isso se é um direito do cidadão estudar apartir dos 4 anos de idade, a justiça precisa entrar em jogo, e fazer com que todos tenham garantido seus direitos e qualidade no ensino. Cabe ao governo encontrar uma saída para que se abram novas escolas estaduais e também as prefeituras para que se abram novas escolas municipais de Educação Infantil.

    ResponderExcluir
  46. Fernanda RGM 6464.A lei é importante e de grande valia para inclusão das crianças a partir 4 anos que estão em formação , mas fica a pegunta .Deixar toda a responsabilidade para os pais? Será que o sistema educacional está peparado e estruturado para receber estas cianças em todo o seu contexto?

    ResponderExcluir
  47. RAQUEL GUERRA RGM : 5185 6 PED "A".
    ESTÁ LEI FOI MAIS QUE BEM VINDA PARA EDUCAÇÃO COMO TAMBÉM "CURA", POIS NÓS PRECISAVA - MÓS DIMINUIR OS DEPÓSITOS DE CRIANÇAS , INFELIZMENTE MUITAS ESCOLAS DE TEMPO INTEGRAL SE TORNARAM ISTO PARA AS NOSSAS CRIANÇAS ASSISTENCIALISTAS , AO INVÉS DE SEREM FORMADORAS E CONSTRUTORAS DO SABER .
    AGORA COM ESTE ESCAPE AS NOSSAS CRIANÇAS ESTARÃO PERMANECENDO MENOS TEMPO NA ESCOLA , PORÉM TENDO UMA JORNADA MAIOR DE ESTUDO MELHORANDO ASSIM SUA QUALIDADE E CHANCES DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA , O QUE A NOSSA EDUCAÇÃO PRECISA É DE AMOR , E QUE CADA UM DE NÓS FAÇAMOS A DIFERENÇA , OLHA SÓ A NOSSA OBRIGAÇÃO RECEBEREMOS CRIANÇAS QUE ESTÃO COMEÇANDO A DESCOBRIR O MUNDO ONDE TUDO SERÁ NOVIDADE E ARMAZENARAM TUDO O QUE DISSERMOS POR ESTÁ RAZÃO NÃO DEVEMOS NOS ESQUECER NUNCA QUE SOMOS ESPELHO E REFERÊNCIA PARA OS NOSSOS PEQUENINOS E QUE NAS MÃOS DELES ESTÁ O DESTINO DE TODA A NAÇÃO .

    ResponderExcluir
  48. LUCIMARA SOARES RGM 5023 6 PED A
    SOU COMPLETAMENTE A FAVOR DESTA NOVA LEI POIS A NOSSA EDUCAÇÃO PRECISA DE SUPORTE PARA PRODUZIR UMA EDUCAÇÃO DE QUALIDADE E ESTUDO ,CONHECIMENTO NUNCA É DEMAIS , O QUE É DEMAIS SÃO QUE AS CRIANÇAS ESTÃO PASSANDO DE ANO SEM CONHECIMENTO POR FALTA DE CONHECIMENTO , O ALUNO NÃO PRECISA COLECIONAR ANOS NEM SÉRIES E SIM A APRENDER A APRENDER PARA ASSIM OBTER UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA. COM ESTÁ ATITUDE O NOSSO GOVERNO NOS MOSTRA QUE REALMENTE ESTÁ PREOCUPADO COM O NOSSO FUTURO E COM ESTÁ NOVA GERAÇÃO QUE ESTÁ SE FORMANDO .

    ResponderExcluir
  49. Onilia Cristina RGM: 56723 de novembro de 2013 04:36

    A lei implementada para a educação é uma excelente proposta curricular aos educandos mas, de certo aos pais não é um problema mais sim para as escolas pela sua estrutura.
    Se as escolas não estão aptas para recebe-los de que vale esta lei?

    ResponderExcluir
  50. Jéssica Alves RGM: 59123 de novembro de 2013 05:12

    Acredito que esta lei é muito importante, pois permite que a criança se socialize mais cedo e isso ira ajudar em seu desenvolvimento.Mas a grande questão a ser discutida é, Como essas crianças irão frequentar a escola se o estado não garante nem as vagas para as crianças que ingressam com 6 anos de idade

    ResponderExcluir
  51. Joeli Pacecka RGM; 5694

    Sou a favor da lei que obriga os pais a matricularem os seus filhos nas escolas com 4 anos de idade, pelo fato de que as crianças hoje em dia estão muito evoluídas, elas aprendem muito rápido , e seria um tempo perdido para elas ficarem em casa , sendo que na escola ela terá um incentivo muito maior para aprender muitas coisas, pois o quanto mais você incentivar uma criança mais ela vai querer aprender, porem não concordo que as crianças entrem nas escolas com essa idade e o poder publico não de um suporte nem para elas e muito menos para os professores.

    ResponderExcluir
  52. Alessandra Ribeiro da Silva RGM 5324 Pedagogia 6 B

    Considero importante sim que a criança de 4 anos seja matriculada na escola, porém é necessário que haja vagas suficientes para atender toda essa demanda com qualificação dos profissionais para atendê-las com qualidade e que tenham estruturas apropriadas para que essa crianças possam se desenvolver de forma plena e saudável, pois caso contrário a escola irá tornar-se um depósito de crianças, sem qualidade, com salas de aula cheias e professores desmotivados, ou seja, não irá contribuir para o desenvolvimento dessas crianças. A Lei é importante, mas é preciso repensar sobre a qualidade das nossas escolas de Educação Infantil e na qualificação desses profissionais para atender essas crianças com qualidade.

    ResponderExcluir
  53. Kelly Cristina Balan 6º B RGM: 5429

    Sou a favor que as crianças se matriculem mais cedo na escola, pois elas aprende muito rápido, porém o que acontece é que os pais não estão conseguindo matricular os filhos. O governo precisa rever essa questão.

    ResponderExcluir
  54. Essas questões que está sendo discutida possui os dois lados, o bom e o ruim. Não podem tirar das crianças o direito da educação do 0 aos 3 anos de idade, pois é o momento em que muitas famílias colocam os filhos nas creches em busca da alimentação, higiene, o desenvolvimento social e até mesmo a distração, algumas famílias não possuem condições nem mesmo para sustentar os filhos e se garantem nas bolsas que o governo dá a eles, que nem sempre é usado para o sustento da criança.
    Com a obrigatoriedade da criança na escola com 4 anos, é muito bom para o desenvolvimento dela e facilitará o aprendizado nas próximas séries, porém, de nada adiante obrigar os pais a matricular os filhos na escola, se o governo não dará condições adequadas. As escolas devem ser um ambiente de aprendizagem da criança e facilitador de seu desenvolvimento, mas o que mais encontramos nos dias atuais são os depósitos de criança, são salas lotadas, sem recurso para o ensino, professores desmotivados pela falta de condição de trabalho e mal remuneração. Com esta desestruturação da sociedade, com as mães trabalhando fora e sustentando a família, passa a ser de suma importância a obrigatoriedade da inclusão das crianças de 4 anos nas escolas, assim não ficam sozinhas em casa, sem alimentação e sem a supervisão de um adulto.
    Para que seja obrigatório o ingresso e a permanência das crianças na escola, o governo deve fazer o seu papel, gastar a verba destinada a educação para a educação e priorizar o aluno e seu aprendizado. Os pais por sua vez, devem entender que a escola ensina, mas a educação vem de casa. Nem tudo é responsabilidade da escola e que devem se preocupar com os filhos também, não esperar por bolsas do governo e procurar fazer por onde para sustentar suas crianças.

    Jenifer Roberta Batista RGM: 5675 - 4º Pedagogia Noturno

    ResponderExcluir
  55. Dayane Mazieiro RGM: 5362 - 6º pedagogia B3 de novembro de 2013 13:31

    A lei será uma mudança grande dentro da área da educação, assim percebe-se que para o desenvolvimento e para a alfabetização os educandos terá mais tempo para ser alfabetizados, mas teremos que pensar se as escolas terão estruturas, vagas suficientes, professores qualificados para fazer essa lei valer!!!

    ResponderExcluir
  56. Alexsandra de Lima RGM: 4956 6º PED A.4 de novembro de 2013 07:49

    Acredito que quanto mais cedo a criança ter um convício social melhor será para sua formação pessoal, pois terá como aprender valores, seja de respeito cultural, ético e a diversidade, porém tornar lei e obrigação dos pais ao meu ver deste modo torna-se muito opressor , não é criando leis que a educação no país irá melhorar . Creio que deve-se investir em educação porém uma educação com qualidade, não somente para as crianças, mas para os jovens que hoje deixam de estudar por não ter um aprendizado significativo nas escolas. Todos devem estar envolvidos os pais, governantes, professores, gestores enfim todos para que haja uma percepção de melhorias na educação e assim garantir um futuro melhor do país porque para mim a educação transforma uma nação.

    ResponderExcluir
  57. Angela Murakami RGM:5127 6º Ped A
    As leis estão aí e infelizmente devem ser cumpridas, mas será que a escola em um todo está preparada para receber estas crianças de 4 anos? Será que a educação de hoje favorece para que até as 8 anos as crianças estejam alfabetizadas? Na teoria tudo funciona bem, já na prática nem tanto. Não adianta leis, se na realidade elas não aconteçam efetivamente, ou que a escola volte a ser um depósito de crianças.

    ResponderExcluir
  58. Lilian Fernandes de Nóbrega RGM 5074 6 PED A7 de novembro de 2013 09:40

    Acredito que essa lei pode ser bem vinda se o governo garantir melhorias no ensino, para as crianças acho importante começar a se socializar desde pequeninos, pois a escola quando é composta de bons profissionais consegue sim ajudar na formação de um cidadão, mas para isso a gestão tem que ser a top e o governo também.. isso depende de vários envolvidos e não de uma única pessoa.

    ResponderExcluir
  59. acredito que essa lei poderá ser grande utilidade se o governo garantir melhorias para o ensino..
    Angelica Linhares RGM:5105

    ResponderExcluir
  60. THAYANA SILVA MASO 6°B PEDAGOGIA

    Concordo que seja importante a obrigatoriedade de que as crianças ingressem na escola com quatro anos, mas será que as escolas estão preparadas para esse grande numero de alunos? E quanto aos pais ao se depararem com essa obrigação de matricular o filho na escola e não achar vagas. Acredito que é muito bom para a criança desde cedo ter essa experiencia, mas não é assim que a educação vai melhorar, obrigando a estudar, tem muito ainda a ser feito, espero que o governo faça sua parte, porque tudo na teoria é muito bom, quero ver na prática.

    ResponderExcluir
  61. Cledinéa Santos Alves Fernandes - RGM: 4969 6° Pedagogia A
    Acredito sim que seja importante as crianças de 04 anos ingressarem na escola mas será que terão vagas nas em escolas nas proximidades de suas residências? pois de nada vai adiantar o governo criar leis obrigando os pais a matricularem seus filhos e além de tudo cobrar multas e ele mesmo não cumprir o seu papel construindo mais escolas contratando mais professores com salários dignos.
    Pois é muito importante que as crianças ingressem na escola pois conviver com outras crianças vai enriquecer o seu convívio social e em se tratando de crianças carentes é de grande valia pois lá terão lazer, alimentação, acesso a livros enfim coisas que muitas das vezes não dispõe nas suas casas e foge da sua realidade, mas para que isso aconteça as escolas terão que ter uma infraestrutura com todos os materiais didáticos com carinha de escola de educação infantil e não mais um depósito de crianças.
    Espero que os nossos governantes pensem e reflitam com muita seriedade sobre esse assunto de extrema importância.

    ResponderExcluir
  62. O fato de começarmos a pensar em educação para as crianças desde os quatro anos, é um avanço sensacional penso eu, pois eu vejo tantas crianças pequenas na rua sem ninguém olhando, correndo riscos, penso que na escola ela se interessaram mais cedo por escola e estudo, pois essa é a fase mais gostosa e Lúdica da educação.
    Porém acredito que essa procura por uma escola por obrigatoriedade, superlotará as escolas e como tudo que é feito no Brasil "as pressas" não haverá qualidade de ensino, penso eu.

    ResponderExcluir
  63. 6o B Pedagogia
    As crianças indo para a escola mais cedo, ajudaram aos pais a entenderem como funciona a educação infantil, fazendo com que eles ingressem no ensino fundamental com mais habilidades para serem alfabetizados. Estou otimista para essa nova fase da educação, com esperança de que tudo dará certo, e terá qualidade.

    ResponderExcluir
  64. Priscila de Souza Carvalho Martins RGM 6319 2° Pedagogia Manhã

    Como dito por Didonet ..."Creio que a solução não esteja na obrigação, mas na oferta com qualidade..." já que os pais terão o dever de matricular seus filhos de 4 anos na escola, o Estado deve também cumprir seu dever, que é o de promover uma educação de qualidade, propiciando às crianças um ensino digno.

    ResponderExcluir
  65. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  66. Marisa Victorino Scaranello RGM - 6486 / 2º Pedagogia Matutino

    A nova lei obriga que pais ou responsáveis tenham o dever de efetuar a matrícula das crianças a partir de 4 anos de idade na educação básica de ensino até 2016. Portanto, esse precoce acesso das crianças à escola vai contribuir e dar a oportunidade da convivência e interação com outras crianças, descobrindo o caminho mais cedo para o desenvolvimento da aprendizagem. Sendo assim, a lei deve ser cumprida por ambas as partes, os pais deverão acatar a nova lei e matricularem suas crianças e os Estados e Municípios tem o dever de suprir a demanda de vagas que foi estabelecida pela nova lei. Direitos e deveres devem ser cumpridos, isso é o mínimo que podemos oferecer para as nossas crianças.

    ResponderExcluir
  67. Daniela Ferraz Lacerda Alencar, 2° pedagogia matutino.
    É um grande avanço que podemos ver a partir desta lei, porém não garante que ela realmente faça diferença se não sair do papel, é necessário um grande empenho para que essas novas faixas etárias que estarão na sala de aula possam adquirir conhecimentos fundamentais para seu aprendizado. Pois sendo tudo novo é necessário valer a pena uma mãe colocar seu filho de quatro anos em uma sala de aula, então deve ser responsabilidade do nosso governo e da secretaria da educação garantir não só tempo em sala de aula mas tempo de qualidade.

    ResponderExcluir
  68. Nome: Elizabeth Aurea de Araújo RGM 4975 6º A

    A obrigatoriedade da criança em sala de aula com 04 anos de idade é excelente para o seu desenvolvimento,mas em torno disso existe um sério problema.Será que as escolas tem estrutura para receber tantas crianças ?
    Geralmente as salas ficam lotadas e apenas um professor para controlar estas crianças.Sei que muitos pais precisam trabalhar e vão adorar esta medida,mas acredito que falta investimento e mais profissionais,pois o professor vai se desmotivar usando seu diploma para trabalhar de baba e não de educador.

    ResponderExcluir
  69. Nome: Aline Evangelista Dias RMG :6310 2° PEDAGOGIA MATUTINO

    Com a nova lei, dos pais serem obrigado matricular seus filhos na escola a partir dos 4 anos é ótima.Assim a criança vai se desenvolver mais rápido,vai interagir mais, pois vai passar a conviver um pouco do seu tempo com novas pessoas,como a Professora que vai levar a ele novos conhecimentos que a criança desde cedo vai entender que é importante para seu futuro, penso eu que é muito importante essa lei, a criança vai ocupar seu tempo vago para apreender, e também vai ser de grande importância para as crianças.

    ResponderExcluir
  70. Bianca Lima de Godoy RGM: 6381 2° Pedagogia noturno

    Essa nova lei contribuirá para o desenvolvimento das crianças, pois atualmente a maioria das mães trabalham e mesmo que seja um trabalho de meio período, dificilmente conseguem ter um tempo de qualidade (com frequência) para oferecerem aos seus filhos que ajude para o desenvolvimento dos mesmos.
    As crianças de hoje são muito diferentes do que as de antigamente, aos 4 anos de idade (graças a globalização) já carregam muitos conhecimentos, mostrando-se capazes de realizar diversas atividades em sala de aula; mas claro, mesmo assim, o professor terá que estar preparado para lidar com uma idade tão precária.

    ResponderExcluir
  71. Madalena Adriana Ferreira dos Santos Rgm 5337 6°Bped11 de novembro de 2013 09:40

    A lei para inserir as crianças de 4 anos na escola é uma boa proposta, porém é necessário muito recursos para dar certo, também precisa ser investido nos profissionais da educação para eles saberem lidar com essa nova demanda.
    O governo precisa investir muito para essa lei funcionar porque precisa de novas escolas para atender todas as crianças com qualidade, pois essa fase da criança precisa de cuidados especiais porque estão formando seu caráter.

    ResponderExcluir
  72. Angélica Linhares 6° A
    Para que essa lei venha a funcionar de verdade o governo precisa se comprometer em de corpo e alma

    ResponderExcluir
  73. Luciana Negrão RGM 5285 - 6º Ped - B12 de novembro de 2013 12:12

    Acredito que a educação infantil é o alicerce de toda a educação, é na educação infantil que a crianças se desenvolve socialmente, afetivamente, cognitivamente e psicologicamente, é seu primeiro vínculo com o mundo social e é nessa fase também que suas aprendizagens estão mais afloradas, a construção do conhecimento está mais em evidencia, a criança tem mais facilidade de aprender. Com base nisso destaco que a lei seria positiva se visasse a qualidade da educação infantil, agora se for apenas para super lotar as salas de aula, como já vem ocorrendo, nossa educação vai piorar. Precisamo então cobrar de nossos governantes as condições necessárias para efetivar a lei, com o compromisso de um ganho social e não de mais um problema social.

    ResponderExcluir
  74. Nos dias atuais já existe um déficit muito grande com a falta de vagas para as crianças na pré-escola,acredito que seja um grande desafio dos Estados e Municípios, diante desta lei fazer com que realmente funcione, devemos pensar primeiramente nas crianças, pois nesta fase de desenvolvimento necessitam de uma educação de qualidade e uma escola com uma infraestrutura voltada ao bem estar da criança, pois sabemos que em nosso país sempre tem questões políticas envolvidas devemos ficar atentos a esta adaptação para a educação não ser prejudicada.
    Mônica RGM 5184 6 A PEDAGOGIA

    ResponderExcluir
  75. sou a favor que as crianças se matriculem mais cedo na escola, pois elas aprendem muito rápido. Porém o que acontece é que os pais não conseguem encontrar vagas nas creches para os filhos ficarem e está dificultando, para que os pais trabalhem. O governo precisa rever esta questão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kelly Cristina RGM: 5429 6º B Pedagogia

      Excluir
  76. A Educação Infantil passa por grandes mudanças no contexto educacional brasileiro. É dentro deste contexto que questionamos tanto a qualidade de ensino necessária a uma etapa tão importante de nossas crianças quanto às reais condições existentes de escolas oferecidas para esta população atendida.
    As novas leis empregadas visando o ingresso obrigatório e gratuito da criança de 4 anos de idade na Educação Infantil é um passo importante para a história da educação no Brasil, porém pensando nas estruturas de nossas escolas temos que ficar atentos e persistentes no discurso que fortalece nossa indignação quanto aos investimentos em educação que de certa forma são de grande incoerência.
    As estratégias postuladas pelo atual governo em relação ao pacto que irá garantir a alfabetização de todas as crianças brasileiras até os 8 anos de idade é uma grande proposta que vem para a mudança desta situação educacional que vivenciamos. Importante também é garantir a formação continuada dos professores alfabetizadores e o acompanhamento destas garantias por meio de avaliações.
    Marcelo Cavalcante RGM 5844 - 4º Pedagogia (Matutino)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SUSY OLIVEIRA LANA RGM 5674 4º PEDAGOGIA NOTURNO29 de novembro de 2013 08:57

      Concordo com o Marcelo Cavalcante, a lei só é bonita no papel, diante da realidade os fatos ocorridos na Educação são totalmente contraditórios, em Estágios realizados percebemos o quanto as nossas escolas estão falhas com a sociedade no geral, inclusive na questão da Inclusão, não adianta querer metas as quais não se cumpre nem as rotineiras. A Educação precisa avançar como os Países de primeiro mundo sim, porém a realidade nas escolas é outra, existe crianças fora da escola por falta de vaga, não adianta querer obrigar os pais de uma responsabilidade do Estado, que precisa garantir profissionais competentes e qualificados, assim como também investir em construção de escolas, pois as reformas realizadas nas escola que existe, só é dinheiro mau investido, além de comprometer a educação dos alunos que estão nessa escola por conta do barulho das máquinas de construção. Vale ressaltar a importância também de seduzir os alunos para manter o interesse escolar, afinal serão treze anos de vida escolar a qual muitos adolescente desistem no caminho por algum motivo ou até mesmo por não ter incentivo ou qualidade, sabemos que a educação é muito importante e ser professor é maravilhoso. Porém é preciso lutarmos juntos para que a lei seja comprida de forma que todos estejam numa mesma sintonia, falando a mesma língua, com democracia e respeito.


      Excluir
  77. ALINE ALMEIDA RGM 4868 - 6º LETRAS15 de novembro de 2013 05:39

    A lei é uma proposta muito boa mas para funcionar bem deve entender que a educação infantil é essencial para o desenvolvimento da criança e tem que ser oferecido com qualidade, o que infelizmente não é o temos no hoje. Não acredito que em salas superlotadas é possível oferecer educação com qualidade, pois é impossível apenas um professor conseguir dar conta de muitos alunos ao mesmo tempo. Para essa lei dar certo é necessário que a sociedade também reconheça a importância da educação infantil e exija a qualidade, e não veja a escola de educação infantil apenas como um lugar para deixar o filho pequeno, e ter um tempo livre.

    ResponderExcluir
  78. Carolina da Silva Cassimiro RGM 6271 2°ped manhã

    A nova lei é um grande passo para a nossa educação sim,pois poderá ser uma maneira de garantir a alfabetização até os oito anos de idade,mas para que isso aconteça de verdade,devemos cobrar de nossos governantes escolas com melhores estruturas, salas com menos alunos,para que o professor possa fazer um trabalho de qualidade.Onde o aluno que esta iniciando sua aprendizagem possa aprender de verdade, e não só ficar ali por que a lei o obriga.

    ResponderExcluir
  79. Paula 4º de Letras RGM: 591516 de novembro de 2013 10:45

    Quando pensamos nos direitos das crianças e adolescentes, a implementação desta lei trás grandes avanços para a educação, é uma proposta curricular que visa garantir o direito de acesso e permanência aos educandos na educação básica mas, em nossa sociedade ainda é preciso haver muitas mudanças que possibilitem mudar a forma de pensar e de entender a escola, para que a educação básica possa sim ser garantida plenamente e efetivamente, os educandos possam fazer parte realmente de uma escola e educação de qualidade e não simplesmente passarem pela escola.
    A sociedade precisa mudar, não adianta termos uma lei que obriga, se o pensamento não mudar a respeito de como a escola pode melhorar a vida de todos por meio de uma educação de qualidade.

    Paula 4º de Letras RGM 5915

    ResponderExcluir
  80. Lucilaine O M da Silva RGM:6230 2° pedagogia noturno / 16 DE NOVEMBRO DE 2013

    muito bem elaborada esta lei, isso mudará muitas coisas no nosso pais pois o governo terá que investir na reforma das escolas e construir novas escolas com professores e funcionários qualificados para determinadas funções, a criança terá um apoio da educação, e isso fará com que muitas crianças comecem a adquirir conhecimentos favoráveis para seu desenvolvimento, ao invés de ficarem em casa ou nas ruas aprendendo coisas impróprias.

    ResponderExcluir
  81. Maria Regina 6 ped A Rgm: 501917 de novembro de 2013 11:01

    O dever do cidadão brasileiro é matricular seu filho de quatro anos na escola, ela(a) terá ótimos desenvolvimentos em seu aprendizado. Mas de nada adianta se o governo se não tiver recursos necessários para atender a demanda de crianças, e escolas,contratação de professores e um sálario digno para eles.

    ResponderExcluir
  82. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  83. A proposta feita pelo pacto nacional é maravilhoso, um investimento enorme para que o Brasil tenha futuros cidadãos plenamente desenvolvidos cognitivamente, capazes de lutar igualmente por seus objetivos de vida, a questão não está no que se pretender fazer, mas sim, como será de fato feito. Sabemos que muitos professores estão se capacitando e que muito dinheiro está sendo investido, porém, a outros fatores que só serão possíveis de se ver daqui alguns anos, exemplo, as escolas que deverão ser construídas para atender a grande demanda que virá, a continuidade de esforços do Governo para manter o novo padrão desejado, por meio de capacitações e condições de trabalho aos professores, alimentação de qualidade principalmente as crianças que estudarão em período integral, materiais que se sejam adequados as novas realidades de um mundo globalizado em que vivemos. Não podemos ser pessimistas ou incrédulos, mas num país onde tudo se começa e pouco se dá continuidade ou termina, o melhor a meu ver é estar com os pés no chão uma vez em que como professor mediador o meu esforço para educar os alunos deve ser o mesmo independentemente de planos do Governo.
    A esperança é que dê certo e todos os envolvidos se comprometam e façam cada um a sua parte, para que um dia o Brasil dos sonhos se torne real por meio de todos os cidadãos que lutam por um lugar melhor e mais justo. Por um futuro aos nossos filhos que muitos de nós não tivemos.

    Karina Gomes RGM 6377 2º Pedagogia - Noturno

    ResponderExcluir
  84. Em relação a responsabilidade por força de lei imposta aos pais de matricular seus filhos, concordo com Vital Didonet, quando diz: "Essa lei tira o foco da responsabilidade do Estado e a coloca nos pais. Só que tudo isso, nacional e internacionalmente, deixa o Brasil numa posição escamoteada de que está cumprindo o seu dever. Creio que a solução não esteja na obrigação, mas na oferta com qualidade", porque creio que se houver escolas suficientes, onde tenha salas com quantidades certas de alunos, com professores motivados, possibilitando a criança um ensino de qualidade, qual pai rico ou pobre que não fará questão de ter seu filho na dentro da escola? O maior problema não é a omissão, despreocupação dos pais, o que falta é vagas nas creches e escolas, professores motivados. As novas mudanças prometem uma solução boa e que de fato assim seja.

    Karina Gomes RGM 6377 2º Pedagogia - Noturno

    ResponderExcluir
  85. Fabiana M. Pereira - RGM 6219 .... 2° Pedagogia Manhã.

    Essa lei é um avanço no Sistema Educacional Brasileiro. Porém, é importante que se tenha seriedade ao cumpri-la, pois somente considerar que o fato da criança estar matriculada na escola, não garante que ela terá um bom estudo. Acredito que já que essa lei foi sancionada, é dever então dos mesmos garantir que o ensino seja de qualidade, para que em futuro próximo isso não venha ser ao invés de uma possível solução, mais um problema.

    ResponderExcluir
  86. Nome: ERICA FRANCINE LIMA DA SILVA RGM: 6318 2° PEDAGOGIA MATUTINO

    Essa nova lei é boa, pois as crianças já irão começar aprender mais cedo e vão adquirir um conhecimento desde cedo; Vai ajudar a criança se desenvolver melhor, tanto a capacidade motora como a intelectual, vão interagir melhor com as outras pessoas também.

    ResponderExcluir
  87. JULIANA DA SILVA RGM: 6242 2° PEDAGOGIA NOTURNO
    Eu, particulamente achei muito boa a criação dessa nova lei, pois quem trabalha em escola sabe como anda a questão da familia com a escola. Os pais acham que a responsabilidade da educação de seus filhos é da escola.
    Concordo com a autora quando ela diz que o governo tem que oferecer uma educação de melhor qualidade, pois é através da educação que teremos um pais melhor e quanto mais cedo as crianças entrarem na escola melhor será para o futuro dela e de todos.

    ResponderExcluir
  88. CRISTIANE SOUZA DOS SANTOS 6º A Pedagogia RGM 496219 de novembro de 2013 04:13

    Na minha concepção a escola sempre será um espaço de interação e socialização a todo ser humano que busca em sua totalidade construir e reconstruir conhecimentos, uma vez que esse sujeito já vem com um prévio conhecimento de suas vivencias e experiencias familiar e de Mundo. Dessa forma e na escola que ele vai ampliar esse conhecimento. Desse modo a escola, o ensino e a aprendizagem vão abrindo caminhos para que esse mesmo sujeito no futuro seja um protagonista ativo, democrático, sendo capaz de se responsabilizar nas suas atitudes e ações, no decorrer de sua formação tanto acadêmica como pessoal, este e o objetivo da escola. Mas para que consiga atingir seu objetivo que é fazer do cidadão um ser digno e ético para viver em sociedade, é necessário que haja mudanças e comprometimento por parte dos nossos governantes, em possibilitar recursos a essa demanda. Pois fazer com que as crianças fiquem enfileiradas na sala de aula, é necessário uma diversidade de estrategias pedagógicas do qual a intervenção de professor seja motivadora e prazeirosa para não fazer dessa pessoa, um desmotivado e sem autoestima . Ainda tirar a criança de dentro de sua casa para ficar sem ter o que aprender na escola e dar um tiro no escuro,ou seja, concordo em que a criança precisa estar na escola, a lei é ótima, mas tudo tem que ser planejado primeiramente para obter bons resultados sendo satisfatórios e que de principalmente significado a criança.Pois estamos cançados de saber que em salas super lotadas qualquer pratica pedagógica que por aventura o professor queira aplicar fica impossível fazer qualquer avaliação, em relação ao processo de ensino aprendizagem de cada individuo. Portanto as tomadas de decisões do nossos governantes brasileiros precisa haver mobilização e mudança em suas maneiras de agir e pensar, fazendo de suas ações e atitudes algo que realmente seja benéfico ao povo brasileiro, ou seja,referindo a nossa educação.

    ResponderExcluir
  89. Juliana B. Nascimento RGM 6356

    Eu concordo com essa nova lei, acho sim que as crianças tem que começar a estudar desde cedo. Porém, espero que isso não seja apenas por obrigação ou barganha política, e sim que nossas crianças tenham uma educação de qualidade e tenham professores preparados para lecionar essas crianças desde cedo.

    ResponderExcluir
  90. Raquel Serafim da Silva Santos 20 de novembro de 2013 23:101

    Com essa nova lei crescerá o n° de crianças matriculadas na educação infantil, e isso será um avanço na educação brasileira, mas esta lei por si só não basta , pois precisamos de novas instituições escolares acabando assim com o excesso de crianças na sala de aula, professores capacitados preparados para lidar com esses alunos . Na verdade queremos um ensino de qualidade ; sendo assim que essa lei possa beneficiar nossas crianças, que tenham desde cedo a oportunidade de se tornarem grandes cidadãos preparados para viver em sociedade.

    Raquel Serafim Santos RGM 6398 ped not.

    ResponderExcluir
  91. O interesse em propor a obrigatoriedade de estudos a crianças a partir dos 4 anos, acredito que infelizmente seja por uma questão estatística, os fatores pedagógicos estão desligados das motivações numéricas e os resultados são escolas com excesso de crianças com defasagem nos conteúdos e habilidades. Acredito que o fato de as crianças ingressarem na escola mais cedo é um ganho maravilhoso se bem trabalhado e planejado, pois assim elas podem iniciar a aprendizagem desde a infância, proporcionando um melhor desempenho.


    Karen Rocha d costa santos RGM 5160

    ResponderExcluir
  92. Esta lei vem junto com um enorme avanço na educação brasileira, mas é necessário dizer que não basta simplesmente criar leis, mas sim, tornar o ambiente escolar digno, onde a criança seja vista como um sujeito de direitos, que tenha qualidade no processo de ensino-aprendizagem, que tenha profissionais em número suficientes para orientar e educar em sala de aula, onde a criança matriculada não seja somente um número a fim de garantir ao município que receba mais verba do governo federal. Não posso deixar de citar que mais importante do que “estar” na escola, é o fato de a criança tem etapas a serem vividas e não podemos eliminá-las. Além disso, devemos garantir aos profissionais da educação, qualidade para que o trabalho de cada um seja realizado de forma digna, acredito que formações continuadas são o caminho para adquirirmos qualidade na educação!

    Regiane de Fátima da Silva Ribeiro, RGM: 6545 2º Pedagogia Noturno

    ResponderExcluir
  93. REGIANE VENCESLAU, 2° PEDAGOGIA MATUTINO.
    Essa nova lei veio para ajudar as crianças a terem mais tempo de se alfabetizarem, pois o número de crianças não alfabéticas é muito grande.
    Com esse avanço, as escolas devem ter mais salas, professores capacitados, merenda de qualidade, materiais disponíveis. Tendo isso e mais um pouco, mudanças podem acontecer.

    ResponderExcluir
  94. Janaina Ribeiro RGM: 571621 de novembro de 2013 15:20

    Creio que a solução não esteja na obrigação, mas sim na oferta de qualidade, Pois fazer com que as crianças fiquem enfileiradas na sala de aula, é necessário uma diversidade de estrategias pedagógicas do qual a intervenção de professor seja motivadora e prazerosa para não fazer dessa pessoa, um desmotivado e sem autoestima. É muito bom as crianças ingressarem na escola com 4 anos de idade e assim podem conviver com outras crianças e se desenvolver melhor.

    ResponderExcluir
  95. Acredito que a Educação Infantil é o agente mais importante para o desenvolvimento de nossas crianças, não só para a alfabetização, mas para o crescimento individual de cada ser humano, por ser o inicio da vida acadêmica, o inicio de uma rotina que perpetuará o resto da vida, e é este inicio a base de tudo, tudo que aprendemos nesta fase é o que nós irá levar a ser quando crescer, se aprendermos a respeitar um aos outros, seremos respeitosos, se aprendemos a ser critico, vamos saber analisar e questionar de forma racional, tudo se inicia no inicio e por que não começar o mais cedo possível? Aprendi que conseguimos educar uma criança até os seus cinco anos de idade e depois desta fase ela já está formada de suas próprias opiniões e gostos, então é mais que necessário que a mesma inicie sim sua vida escolar aos quatro anos de idade, na verdade quanto antes melhor, para assim aprender a aprender, aprender a fazer, aprender a ser, aprender a conviver, não seja difícil de assimilar e levar este grande aprendizado para o resto de sua vida.

    ResponderExcluir
  96. ARIANE MOTTA DE OLIVEIRA 3181 6ºPEDAGOGIA A

    Acredito que a proposta do governo é muito boa vem a somar a área da Educação, porém faz-se necessário que o Governo consiga atender a demanda de crianças matriculadas e oferecer um auxilio maior quanto a formação continuada do educador.

    ResponderExcluir
  97. MONNIE CAROLINE DE ALMEIDA RGM: 6475

    Sem dúvidas a Lei 12.796 veio para acrescentar mais que não seja apenas uma lei que insira a criança sem recursos nenhum e que continue esta cena deplorável que se encontra a educação, professores insatisfeitos e alunos abandonados pelo governo.. Que possamos ver mais investimento na educação a partir daí, pois se faz muito importante que a criança seja inserida o quanto antes para ter maiores noções de sociabilização.

    ResponderExcluir
  98. Lídia Rodrigues 5404 6º Ped. B23 de novembro de 2013 17:35

    Com certeza a Educação Infantil é uma etapa muito importante para o desenvolvimento e formação da criança. Essa alteração na lei será benéfica se de fato não apenas a matrícula for assegurada, mas a qualidade deve ser priorizada. Atentando-se para um determinado número de alunos por sala, formação continuada para os professores, incentivo, materiais, o comprometimento dos professores também é fundamental. Se as condições necessárias forem garantidas, teremos resultados positivos para a educação e para o país.

    ResponderExcluir
  99. Leandra S. Morais RGM: 610724 de novembro de 2013 04:22

    Os avanços na área da nossa Educação foram conquistados a passos lentos, principalmente no que se refere ao conceito de criança e de infância. Logo as recentes mudanças propostas, como a obrigatoriedade da matricula das crianças a partir dos quatro anos de idade demonstra um princípio de reconhecimento e valorização desta primeira etapa escolar de grande importância para o desenvolvimento de nossas crianças e que lhes servirão de base para todos os ciclos da Educação, é fato que infelizmente não contamos com as estruturas ideais para atende-las, mas já é um passo de grande importância para chamar a atenção dos Órgãos Públicos e cobrar investimentos e comprometimento com as crianças brasileiras até mesmo com o novo pacto para se alfabetizar até os oito anos demonstrando que estamos saindo do abstrato e voltando o nosso olhar para a realidade da situação de nossas crianças. O professor, peça fundamental neste processo, também está percebendo a necessidade de estar bem preparado, buscando formação e reconhecendo que é preciso aprender cada vez mais para melhor ensinar.
    Por todas essas mudanças que estão a caminho, vejo com bons olhos o futuro da nossa educação, pode ser lento, mas não poderá mais se estagnar,pois contamos com o apoio de nossa legislação e devemos buscar de maneira objetiva e contextualizada para coloca-la em prática tornando-a legítima e capaz de elevar os índices de qualidade da Educação brasileira.

    ResponderExcluir
  100. Patrícia Cristina Oliveira RGM: 6645

    Eu acredito que essa mudança na educação,onde as crianças irão para escola mais cedo sera benéfica desde que os pais não vejam isso somente como uma obrigação porque não adianta só matricular a criança na escola é necessário ter um acompanhamento tanto dos pais como dos educadores.
    É preciso ter investimentos em matérias,formação continuada para os educadores,investir na estrutura da escola para receber as crianças e uma educação de qualidade,criando um estimulo para que as mesmas tenha cada vez mais interesse em estar na sala de aula. A responsabilidade para que de certo não é só dos pais e sim de todos é tarefa continua onde requer o desempenho e comprometimento de todos em busca de uma educação melhor,

    ResponderExcluir
  101. Acho muito bom, pois é nesta idade que a percepção das crianças está aflorando, é um bom momento de começar a aprender coisas novas, a criança vai interagindo com as outras crianças e aprende mais cedo, a partir dos seis anos fica um pouco complicado, assim a criança irá se adaptar mais fácil e aprenderá a conviver com outras criança.. Então quanto mais cedo melhor.

    ResponderExcluir
  102. Ronecia Sousa RGM:2365 PED. 6°A


    E a qualidade melhorará?? Qualidade no ensino, qualidade na qualificação e no salário dos profissionais relacionados à educação (professores, cantineiras, faxineiras, diretores etc), qualidade nas escolas em relação à estrutura física e etc etc etc. Será que vai ser de qualidade satisfatória ou será apenas para comer o dinheiro público em propagandas enganosas??? Há pouco tempo houve greve dos educadores infantis em BH, pedindo apenas melhoria no salário e mais dignidade e o que receberam? NADA. Será que algo irá mudar???

    ResponderExcluir
  103. Adriana Costa RGM: 611724 de novembro de 2013 15:51

    Com certeza a lei é um avanço no sistema educacional brasileiro, afinal estudos científicos comprovam que os conhecimentos adquiridos nesta faixa etária é importantíssimo para o desenvolvimento das crianças. Porém devemos prestar atenção para garantir um ensino de qualidade, onde todos possam estudar, não só aqueles que podem pagar, sem esquecer o tempo para brincar e ficar com a família, que é tão importante na primeira infância.

    ResponderExcluir
  104. ADRIANA PEREIRA RODRIGUES DA SILVA RGM: 520224 de novembro de 2013 18:52

    Estamos convivendo com um enorme avanço na educação brasileira,e junto com esses avanços vem essa lei, mas é necessário dizer que não basta simplesmente criar leis, mas sim, tornar o ambiente escolar digno, onde a criança seja vista como um sujeito de direitos, que tenha qualidade no processo de ensino-aprendizagem. É importante também que se tenha seriedade ao cumpri-la, pois somente considerar que o fato da criança estar matriculada na escola, não garante que ela terá um bom estudo. Acredito que já que essa lei foi sancionada, é dever então das autoridades responsáveis garantir que o ensino seja de qualidade, para que em futuro próximo isso não venha ser ao invés de uma possível solução, mais um problema.

    ResponderExcluir
  105. A Educação Básica obrigatória dos 4 aos 17 anos ampliará o conhecimento e facilitará o processo de alfabetização, mas, será necessário suporte adequado nas escolas, como salas de aula, qualificação dos professores e profissionalismo dos mesmos, para que com a dedicação imposta os alunos possam se desenvolver de forma apreciativa, e os profissionais em sala os reconheçam e estimulem os alunos a ampliação contínua no desenvolvimento escolar, contribuindo assim para a vida social do aluno.

    Bruna Soares dos Santos
    RGM 6583
    2° Pedagogia Noturno.

    ResponderExcluir
  106. Lilian 4º Pedagogia Matutino25 de novembro de 2013 03:14

    Esta nova lei da criança ser obrigatoriamente matriculada com 4 anos de idade pelos pais ou respossáveis nos leva a refletir que a educação é fundamental na vida da criança, embora sempre foi essencial, mas devido não ter uma cobrança exigida por lei, muitos pais iam trabalhar e não se importavam com o estudo da criança, em muitos casos a criança tinha que ser escravizadas trabalhando em casa. Com esta lei ainda há casos de exploração com a criança, mas podemos perceber que a quantidade de alunos aumentaram bem mais este ano.
    O papel do professor é estar sempre em formação continuada, então cabe a nós futuros educadores ter o interesse de mudar a educação para melhor e não fazer apenas uma grande quantidade de alunos irem à Escola simplesmente para cumprir presença. O verdadeiro educador tem que ter prazer de fazer mudanças na vida da criança que são os futuros cidadãos, não é fácil, mas tudo se conquista com dificuldades para ver um bom resultado e também trabalhar com a comunidade porque é quase impossível querer transformar a criança se a rotina com a família é fora do que se espera.
    "Educai as crianças, para que não seja necessário punir os adultos"
    Pitagoras

    ResponderExcluir
  107. Francine Calazans Esguerre, RGM: 3849, 4º Ped. Mat.25 de novembro de 2013 09:59

    Podemos dizer que incluir a Educação Infantil como uma das etapas da educação é um grande avanço em nosso país, uma vez que tudo o que se refere a educação infantil , sempre caminhou lentamente com seu reconhecimento. Mas, também não podemos deixar de lado crianças de 0 a 3 anos na etapa da creche dizendo ser uma fase pouco importante, pois não é. É justamente nesta fase que acontece o desenvolvimento integral da criança, e o estado devia sim ofertar vagas nessa faixa etária e não simplesmente tirar sua obrigação de oferecer vagas, rebaixando assim as creches.
    Agora de uma coisa não devemos esquecer, se a Lei obriga, precisa dar todo o suporte com mais instituições, mais vagas, qualificação dos profissionais, estruturara adequada para o desenvolvimento saudável dessa criança.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talita Moreira RGM 5258 Ped 6ºB

      A educação infantil é uma etapa de extrema importância para as crianças, pois é onde tudo começa, elas se socializam, constroem identidade, por isso essa mudança deve alavancar pontos positivos, e não apenas uma obrigação de matricula para os pais, fazendo com que as crianças apenas cumpram presença em sala de aula, será necessário uma qualificação e suporte maior nas escolas

      Excluir
  108. Jaqueline de Paula Ortega RGM: 5664 4º Pedagogia Noturno25 de novembro de 2013 11:06

    Torna-se importante esse decreto que altera a obrigatoriedade de matricular as crianças a partir dos 4 anos de idade, assim passa a ser dever do Estado garantir a oferta de Educação Infantil pública, gratuita e de qualidade, sem requisito de seleção, fazendo da Educação Infantil um espaço de cuidar e educar, promovendo os desenvolvimentos afetivos, cognitivos e sociais. Partindo por esse principio o Estado deve também ofertar escolas bem estruturadas e professores mais bem formados para atender essa demanda e pensar que serão esses pequenos que formarão o Brasil de amanhã.

    ResponderExcluir
  109. Concordo com a Ronecia,e a qualidade de ensino? Fica do mesmo jeito.As crianças serão matriculadas cada vez mas cedo, escolas cheias, os profissionais, a maioria revoltados, são casos horríveis que vemos e ouvidos que acontecem principalmente na Educação Infantil, professores que estão perto de se aposentar outros já aposentados sem um pouco de paciência. Nos estágios nos decepcionamos com o que vemos, pensei que fosse aprender algo, mas as salas que acompanhei não posso direcionar modelo, um descaso enorme com as crianças.E ainda vem a Lei, garantindo uma educação melhor, estamos longe disso, como muitos sabem, precisamos mudar tudo e começar de novo, se for possível,para uma educação de qualidade. Aluna:Cristiane da Paixão Coelho,5009. 6º Ped A.

    ResponderExcluir
  110. Curso de Pedagogia 2º Semestre Matutino
    Jasmine Tereza Camargo RGM: 6498

    A educação é algo essencial para todos, porém não adianta simplesmente amontoar várias crianças pequenas em uma escola e ficar lá como babá, mas não me interpretem mal, não acredito que a criança já deva sair de lá lendo, mas sim que devemos trabalhar com as crianças sem subestimá-las, acreditando que dali sairá um cidadão, que tem toda uma vida escola pela frente, por isso devo prepará-lo para o que esta por vir.

    ResponderExcluir
  111. Acredito que a educação infantil é a base de tudo, pois essa modificação na lei só faz com que os pais percebam a importância que é ter os filhos matriculados na escola, assim, a escola também tem que estar apta para receber esses pequenos que iram para a escola desde cedo, assim adequando a proposta pedagógica para essa faixa etária e suprindo as necessidades de cada um.
    STEFANE DOMINGOS PINTO RGM:5183 6°PED.A

    ResponderExcluir
  112. Avanços na educação são sempre bem vindos, pois entendemos que a política educacional não está estacionada, porém essas mudanças me leva a refletir sobre as palavras de Maurice Tardif, quando critica a formação universitária do magistério, enfatizando a falta de pesquisa etnográfica para entender o saber e o fazer do professor. Acredito que toda mudança deve partir de um pressuposto. Será que conhecemos a realidade das escolas brasileiras? questionando em dimensões nacionais. O atendimento a crianças dessas crianças; desde que de qualidade, seria um avanço digno de comemoração, considerando a história da criança principalmente nesta fase da educação infantil que não era vista como importante nem pela sociedade, nem pelo Estado. Atendendo essas crianças estaríamos mais próximos das metas previstas pelo PNE por exemplo; documento esse que está sendo "engavetado".
    Porém, quantidade não é qualidade e isso deve ser discutido com a presença de quem está dia a dia enfrentando as dificuldades relacionadas a espaço físico, a materias pedagógicos, a acessibilidade, a inclusão e super lotação.
    Acredito na mudança, nas emendas que para muitos podem ser consideradas inovadoras, porém somente estão reforçando e autenticando um discurso previsto em documentos oficiais como: Constituição, LDB e parâmetros, que em letras garrafais estabelecem diretrizes para o caminho de uma educação de qualidade, preocupando-se com a formação do cidadão a partir do momento que ele frequentar uma instituição de ensino, em qualquer idade, sendo recebido por profissionais bem preparados e comprometido com sua profissão, despindo-se de discursos politiqueiros em favor da formação de uma sociedade crítica, reflexiva e participativa.

    Renata Siqueira 6121 4º Pedagogia Matutino

    ResponderExcluir
  113. Bruna Taís de Siqueira Leite25 de novembro de 2013 13:53

    Considero importante a criança desde pequenina ter contato social com outras crianças, e os pais devem sim proporcionar isso para seus filhos. Acredito que essa lei deva ser cumprida sim por todos, independente das classes sociais; Claro que as escolas que recebem essas crianças devem estar preparadas desde o físico até o pedagógico de acordo com a faixa etária, visando um atendimento a educação infantil com qualidade.
    Bruna Tais de Siqueira Leite 4991 6°ped A

    ResponderExcluir
  114. Ana lúcia Bissaco RGM: 410525 de novembro de 2013 14:01

    matricular crianças de 4 anos de idade é de extrema importância porque quanto mais cedo a criança se envolve no mundo letrado, mais cedo abre seus horizontes na construção de seu conhecimento, sou favorável a essa lei.

    ResponderExcluir
  115. tatiane santos fieto silva , 509425 de novembro de 2013 14:15

    Podemos dizer que essa lei é um grande avanço educacional brasileiro,pois estudos científicos já comprovaram que o conhecimento adquirido nessa faixa-etária é importantíssimo para a formação do indivíduo. Todavia, devemos continuar protestando a favor de uma melhoria no salário dos profissionais da educação, é um grande envolvimento da educação publica desse pais.

    Tatiane Santos Fieto Silva, 5094

    ResponderExcluir
  116. Ana lúcia Bissaco RGM: 4105 5º semestre25 de novembro de 2013 14:35

    Sem dúvida, os profissionais da educação deveria ser a categoria mais valorizada e muitos do nossos governantes por exemplo vereadores eleitos pela população somente com o ensino médio ganham muito mais que nós os formadores de opinião, a educação.´Concordo quando se debate que precisa melhorar a educação mais devemos sim continuar protestando para melhorar também o salários dos professores.

    ResponderExcluir
  117. Valéria de Jesus Silva RGM: 5668 4º Ped. Matutino25 de novembro de 2013 16:47

    Com certeza, a educação brasileira precisa sim de mudanças, e são bem vindas desde que sejam pensadas na realidade do nosso país, atendendo as necessidades dos nossos cidadãos sem prejudicar-los. Porque não basta apenas criar leis, mas sim, dar condições dignas para que elas realmente sejam cumpridas, e quem sabe dessa forma elevar a qualidade da educação no Brasil.

    ResponderExcluir
  118. TAYZA RHETUGYA PEREIRA DE OLIVEIRA SILVA RGM:5728 4°PED.MATUTINO

    ACREDITO QUE A CRIANÇA COM 4 ANOS DEVA SIM ESTAR MATRICULADAS NAS ESCOLAS, POIS A EDUCAÇÃO INFANTIL É BASE NO DESENVOLIMENTO DA CRIANÇA, LEMBRAMOS QUE É NA INFÂNCIA QUE CONCEITOS E VALORES SÃO ADQUIRIDOS.
    ENTÃO É IMPORTANTE DESDE OS 4 ANOS AS CRIANÇAS ESTAREM INSERIDAS NA ESCOLA.

    ResponderExcluir
  119. A educação infantil é a base de tudo, por isso é de grande importância que as crianças de 4 anos já estejam frequentando a escola, pois assim elas começam, de cedo, a ter um contato maior com a cultura letrada, possibilitando uma melhor aprendizagem nos anos futuros.


    Bianca de Campos Ribeiro, 6374 ped-manhã

    ResponderExcluir
  120. Viviane Adriana Santos de Melo RGM: 6540 4ª Pedagogia Matutino
    As Políticas Públicas para a Educação são sempre bem vindas deste que sejam trabalhadas não somente a obrigatoriedade dos pais em relação a matricula dos seus filhos com idade de quatro anos, mas também a responsabilidade de Estados e Municípios oportunizarem vagas, escola e profissionais preparados para a inserção desta criança na escola respeitando suas especificidades e necessidades.
    A obrigatoriedade de matricula em si não contribui sozinha para avanços na qualidade de educação ofertada.

    ResponderExcluir
  121. Thaíse Vergílio RGM: 5931 4° Pedagogia Matutino

    A nova lei realmente é eficaz para atender esse público tão inteligente que são as CRIANÇAS, mas sendo tão inteligentes temos que surpreende-las, pois como mencionou Motauri Ciocchetti de Souza temos que seduzi-las as novas e diferentes atividades. Quando pensamos que essas crianças entra com 4 anos na escola e só vão terminar o ensino médio aos 17 anos temos que pensar que a escola, a sala de aula deve ser um dos melhores lugar de se estar, o fato é que nós educadores, também precisamos de buscar uma formação continuada para realizarmos algo novo atraente e diferenciado correnpondendo as expectativas deste público novo, lógico sempre focando no ensino e aprendizado.
    A questão é, a lei já foi vigorada gostando ou não teremos que executa-la e a sociedade terá de se adequar até 2016, vamos encarar como mais uma evolução do nosso País sem olhar para os obstáculos, pois afinal, só conquista quem vai adiante!

    ResponderExcluir
  122. Natália Caroline RGM:6541 2º Pedagogia noturno

    Acredito que vai ser de grande valia, pois ali na escola essas crianças vão despor do serviço de profissionais totalmente capacitados para auxiliar no desenvolvimento de cada crianças, trabalhando coordenação motora entre muitas outras coisas.

    ResponderExcluir
  123. Amanda P. Rodrigues RGM: 6442 2° pedagogia Manhã.

    Acredito que a princípio a ideia de que as crianças de 04 anos já devam ingressar na escola é boa, mas existe muitos processos que ainda precisam ser feito, como por exemplo no país inteiro os governantes de cada estado e prefeito de cada município do país terão condições de criar locais adequados para que os educadores e seus educandos trabalhem? é certo que o desenvolvimento da criança será muito maior, mas é preciso cuidado nestas questões.

    ResponderExcluir
  124. Deise Santana Batista RGM: 5738 Pedagogia IV semestre
    As politicas públicas educacionais estão avançando para garantir a criança cada vez mais cedo na escola, uma vez que tudo o que se refere a educação infantil , sempre caminhou lentamente para seu reconhecimento, porém é necessário pensar na formação docente para desenvolver e capacitar profissionais cada vez mais competentes e interessados, buscando sim uma qualidade e não mera quantidade de crianças matriculadas.

    ResponderExcluir
  125. Milena Soares Amorim do Nascimento RGM: 6612 2ºPED MANHÃ
    A obrigatoriedade das crianças brasileiras estarem matriculadas até os 4 anos na educação infantil é um avanço na Educação Brasileira, pois essa será a fase onde a criança será seduzida pela educação, desenvolvendo assim a construção de valores, auto imagem, da socialização e das condições de aprendizagem, como cita o texto acima.
    Com a realidade das famílias atuais, essa lei traz benefícios quanto as crianças estarem sem tarefas em sua rotina, trazendo assim socialização e experiência para entrar na fase da alfabetização, com recursos oferecidos na escola para o desenvolvimento do seu cognitivo. Além do comprometimento, e uma boa formação dos professores para que possam trabalhar com esses alunos tão novos, é de extrema importância que os pais das crianças se comprometam com esse projeto, pois também são peças fundamentais para que os objetivos da educação infantil sejam alcançados.

    ResponderExcluir
  126. Juliana Pires Assis rgm:5652 4°Pedagogia matutino28 de novembro de 2013 04:43

    Concordo com a aluna Camila Wieck,pois o país de fato não esta preparado para essa nova lei, mas se não for dado o primeiro passo jamais essas ideias saíram do papel,pois no nosso país somente funciona através do ``empurrão``.
    E as crianças tem todo o direito de estarem inseridas no âmbito escolar,pois hoje em dia muitas delas já sabem muita coisa e outras que não sabem com toda certeza irão aprender.

    ResponderExcluir
  127. Carla Andressa Marins RGM : 5794 4º Pedagogia Matutino

    Acredito que com essa lei, as crianças terão mais tempo para se desenvolver e as escolas mais tempo para se preparar para dar a qualidade de ensino que "nossas" crianças precisam nessa primeira etapa que é tão importante para o todo o seu desenvolvimento futuro .
    Penso que isso já deveria ter acontecido, mas infelizmente no nosso pais isso só se concretiza quando se torna lei. Nosso avanço foi significativo, mas acredito que ainda temos que melhorar muito para que nossa EDUCAÇÂO tenha mais qualidade.

    ResponderExcluir
  128. Valtiza Ferreira de Melo 2º Pedagogia noturno RGM 6286

    A nova lei da Educação é bem interessante pois sabemos que todas as crianças precisam estudar,mas é preciso tomar cuidado, pois tudo tem seu tempo e
    o mais importante que as leis, é oferecer um ensino de qualidade para essas crianças , onde as mesmas possam ter condições de ensino, materiais didáticos, não esquecer do lúdico para não pular etapas, ter professores capacitados que são verdadeiros facilitadores.
    Para que isto aconteça precisamos de mais vagas, mais responsabilidade do poder público e que os pais possam lutar para colocarem seus filhos na escola. Afinal todos tem direito á educação.

    ResponderExcluir
  129. Assim como os autores do primeiro texto acredito que seja muito importante a criança entrar na escola mais cedo, pois isso ajudará no seu desenvolvimento cognitivo, porém não adianta o governo querer aplicar uma lei sem proporcionar aos cidadãos condições para que consigam cumpri-la, não adianta dizer que é obrigatório as crianças estarem matriculadas a partir de 4 anos, se não ha vagas suficientes para elas nas escolas de educação infantil. Antes de tornar essa lei obrigatória o governo deveria ter garantido que todos teriam vagas nas escolas, e principalmente ensino de qualidade, em escolas com um bom espaço físico, materiais e profissionais com uma boa formação. E não poderiam abrir mão, é claro, das creches que além de serem importantes para a maioria das famílias, também, auxiliam no desenvolvimento da criança.

    Graziela Dal Agata Santiago RGM: 6241 2º Pedagogia - Manhã

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com a colega Grazi Dal Agatha, afinal permite com que todas as crianças sejam inseridas na rede de ensino é tudo muito bonito no papel, mas infelizmente a nossa realidade é completamente diferente. Flávia Odete Rgm: 6260 Letras.

      Excluir
    2. A iniciação escolar com idade de 4 anos de fato é fundamental, pois permite o desenvolvimento cognitivo e a inserção social. No entanto essa lei antes de ser implementada, deveria ser repensada, pois a Educação precisa de um respaldo, para amparar a todos os envolvidos na rede de ensino. Manter um ensino de qualidade precisa-se tornar prioridade em nosso país e não apenas pensar em estatísticas. Flávia Odete Rgm: 6260 Letras

      Excluir
    3. Mayara Lemes RGM: 5626 4º LETRAS30 de novembro de 2013 06:52

      Concordo com a colega Flávia, pensando-se em educação é fato que falta muito para que o nosso país tenha hoje uma educação de qualidade. A escola hoje não tem a estrutura adequada. É uma boa ideia, porém que deve ser repensada

      Excluir
  130. Jéssica Pereira de Aguiar 525928 de novembro de 2013 09:56

    Também concordo com as colegas Grazi Dal Agatha e Flávia Odete que postaram acima, pois acredito que mais do que a criança estar na escola, é preciso pensar em boas condições para o estudo, é preciso pensar em uma estrutura que possibilite um ambiente favorável e estimulante para aluno, bons recursos para o professor, é preciso garantir uma série de questões que contribuem com o aprendizado, proporcionando qualidade na educação. Esta lei na prática parece frágil, por diversos motivos, considerando que atualmente existem muitas crianças a espera por vagas, levantam-se diversas discussões e preocupações a respeito desta lei.

    ResponderExcluir
  131. Eu, também, concordo com a lei em partes. A parte boa é que a criança entrando mais cedo na escola, estará em um ambiente que ajuda-rá no seu desenvolvimento cognitivo e a parte ruim é que, assim como já disseram, o governo sanciona uma lei e não oferece aos cidadãos nenhuma suporte para que possam cumpri-la, como,por exemplo, escolas para essas crianças.

    Viviane Oliveira dos Santos RGM: 6277 2º Pedagogia - Manhã

    ResponderExcluir
  132. Tamiris Mª L. Ardachnikoff de Morais - rgm 5727 - 4º Ped Mat28 de novembro de 2013 14:15

    Concordo que a criança precisa ter contato com a escola desde cedo, ainda mais porque hoje, mesmo antes da lei, é muito comum essa iniciação em razão das mães trabalharem.
    Agora é lei e a criança precisa estar na escola aos 4 anos. Mas onde essas crianças vão estudar se está faltando escolas?
    E as que já existem, como presenciei em estágio, simplesmente tratam a educação infantil como um mero cuidado, sem a importância de trabalhar com a criança materiais alfabetizadores.
    Enquanto isso, nas escolas particulares, as crianças possuem até apostila.
    Acredito que antes de aprovar a lei deveriam verificar se há escolas o suficiente para todas essas crianças e se há escolas em cada bairro, porque, se isso não foi verificado, muitas ficarão fora da escola.

    ResponderExcluir
  133. Alessandra Guedes da Silva RGM: 6105 4º Semestre Matutino28 de novembro de 2013 14:46

    A nova lei trouxe para as nossas crianças uma mudança de vida, por um lado me parece cedo demais para já assumirem essa responsabilidade que é Estudar, por outro lado as crianças são mágicas, cheias de energia parece que não se cansão nunca e quanto mais aprendem, mais querem aprender. O mais importante disso tudo é saber se as escolas estão preparadas para receber esses pequenos gênios, se os professores já estão prontos para ensina-los tudo que eles precisam saber, não adianta as políticas colocarem as crianças nas escolas se esse ambiente não tem condições de suprir as necessidades que elas tem. Hoje se fizessemos uma visita nas escolas para ver em que condição elas estão com certeza ficariamos surpresos com o número de escolas em péssimas condições e com o número de professores desmotivados e cansados da sua vida de docente.

    ResponderExcluir
  134. Kátia Mendes de Oliveira - RGM 598528 de novembro de 2013 14:49

    Com a nova Lei que as crianças precisam estar na escola aos 4 anos, tem levantado algumas opiniões adversas, mas por outro lado essa mudança trará vantagens positivas em futuro próximo, cabe ao Estado manter e cumprir o que determinou como lei, e cada um fazendo sua parte poderá contribuir na realização desse projeto.
    Quanto a formação continuada tem sua importância pelo fato dos professores ter que ser um pesquisador, não terá motivo para dizer que não tem condições de estudar pois o Estado garante esse acesso.

    ResponderExcluir
  135. Com a lei nossas crianças passam a frequentar as escolas mais cedo, a partir dos quatro anos, o que gera muitas discussões, a que mais me preocupa é se estamos preparados para educar , cuidar e desenvolver essas crianças.Nesta indagação acredito que seja de extrema importância a formação continuada para que realmente este ensino seja garantido com toda qualidade e não só com a visão de cuidar. Luciana Costa RGM 5934 , 4 pedagogia matutino

    ResponderExcluir
  136. Cilene Rodrigues da Silva rgm:5799 4°Pedagogia Matutino29 de novembro de 2013 05:01

    Realmente essa lei irá ajudar muito na educação brasileira,pois hoje em dia as crianças já nascem preparadas para tudo,mas com tudo temos que ter a consciência de querer mudar o pais e nada melhor do que começar pela nossa base que é a educação.

    ResponderExcluir
  137. Selma F.A. maida RGM 5665 4º Pedagogia Matutino29 de novembro de 2013 11:31

    Eu concordo com em partes com o critico Vital Didonel,qundo desse que a escola é quem deve ir até as crianças pobres, porém me preocupa o fato de um pais tão grande como o nosso não ter condições de dar atenção especial a todas essas crianças.
    E acredito sim que é dever dos pais a preocupar-se da educação de seus filhos, a função do Estado é cumprir o que lhe cabe e não esta cumprindo nem um terço do que é obrigatório.
    Os pais sim tem que carregar o peso da responsabilidade pela educação dos filhos, porque é diante da dificuldade que se corre atrás e faz melhorar o que já se tem. A nossa preocupação é tanta com a imagem do Brasil lá fora, que esquecemos de arregaçar as mangas e trabalhar para melhorar as condições na qual nos encontramos, Do que nos vale viver em um país de sonhos?
    É um absurdo ver que não só as crianças vivem como produto, mas tudo que se refere ao ser humano, já não é chegada a hora de valorizarmos o que temos de mais importante? Nós mesmos.
    O texto me fez lembrar do nascimento da indústria no Brasil, de quando os pais e mães tinha que ficar fora de casa por mais tempo e deixar seus filhos aos cuidados de outrem. Será que depois de tanto tempo não temos estruturas para reverter esse quadro? Dando sequência no texto acima, assim como as crianças precisam que seu cognitivo reaja a estimulo de aprendizagem elas necessitam de afeto e não de socialização.
    Na minha opinião longe do convívio da mãe e do pai a criança não desenvolve o afeto por si e nem pelos outros, mas em contra partida é necessário que ela aprenda a se socializar e isso pode ocorrer fazendo visitas a parentes e amigos ,neste caso a escola é só um complemento para um desenvolvimento social e uma repetidora de ações, na sociedade.
    Selma F. A. Maida RGM: 5665 4º Pedagogia Matutino.

    ResponderExcluir
  138. Mayara Lemes RGM: 5626 4º LETRAS30 de novembro de 2013 06:31

    Acredito que seja importante que a criança inicie cedo o contato com a escola, a fim de socializar, obedecer regras, adquirir novos valores, porém o Estado deve antes de implantar uma lei dessa, garantir que esse direito chegue a todas essas crianças.
    Falta muito para que os projetos do governo saiam do papel e funcionem na prática. Acho que a escola ainda não está pronta para suprir as necessidades dessas crianças, assim como é o caso da escola de tempo integral, tiram a criança da rua, mas não tem professor na escola e não se aplica o projeto.

    ResponderExcluir
  139. Maíssa Nogueira Venâncio RGM:5278 6ºsemestre de Letras.

    Eu concordo que a lei tem que ser usada sim! A educação necessita de avanço e respeito profissional perante nossa sociedade e referente a situação de matricula escolar aos 4 anos de idade, é valido e satisfatório, pois o educando precisa saber viver em comunidade e também para melhoria em sua educação, ensino, processos escolares.

    ResponderExcluir
  140. Renata martins Silveira Flores Rgm:6338 2° pedagogia noturno

    Essa nova lei é muito interessante pois as crianças não ficarão nas ruas ou em casa sem fazer nada podendo aprender muito mais, entre tanto as escolas terão que ser mais capacitadas para colocar a quantidade de crianças desejadas, tendo mais professores e funcionários atendendo as necessidades das crianças e não deixando as de lado como acontece em varias casas onde crianças de 4 anos ficam na rua sozinhos ou em casa só aprendendo o que não deve.

    ResponderExcluir
  141. Uma lei importante porém, devemos ser realistas. Será que o Estado garantirá vagas para essas crianças? Penso que não deveria ser obrigatório pois, será cansativo para elas. Porque não construir mais creches, nessa idade as crianças são agitadas, está na fase de brincar, correr, um professor pode não dar conta de 20 ou mais crianças da mesma idade dentro de uma sala de aula.

    ResponderExcluir
  142. A criança precisa ter sua vaga garantida na educação infantil de 4 a 5 anos na escola pública até 2016 e a criança com 3 anos também precisa estar acompanhando a educação infantil com 50% até 2020.

    ResponderExcluir
  143. LIDIANE STEFANI SILVA COUTO RGM: 5650, 4º PED. NOT.

    Essa nova lei aprovada que obriga os pais a matricularem seus filhos na escola a partir dos 4 anos de idade deve garantir a população um espaço onde seus filhos irão frequentar e serem desenvolvidos de acordo com sua faixa etária, porém é notório que a educação brasileira sofre bastante no que diz respeito a qualidade da infra estrutura e na qualidade de ensino, sofre no sentido de ser precária quanto as disposições das vagas disponíveis. No entanto cabe ao Estado a responsabilidade em atender essa demanda de forma legitima e digna, qualificando os profissionais da Educação, criando espaços amplos e didáticos, oferecendo a toda a população inclusive as mais pobre, e não da maneira que vemos nos dias de hoje, uma educação que é linda de se ver apenas no papel. O Estado deve oferecer aos alunos um espaço saudável, do qual os pais sintam se seguros em matricular seus filhos tendo em mente o favorecimento em leva-los pra escola tão cedo, e não o medo de serem multados pela falta desse ato. E nos como futuros educadores, devemos estar sempre atentos e preparados para atender esses alunos que ingressarão nas escolas com sede de aprender e desenvolver-se. Sou completamente a favor dessa lei, desde que TODOS cumpram seu papel e sejam punidos pela falta do mesmo.

    ResponderExcluir
  144. Essa lei que assegura a criança a partir dos quatro anos de idade na escola é de fundamental importância, pois quanto mais cedo a criança entrar na escola mais esta irá desenvolver suas habilidades e consequentemente desenvolverá melhor o seu cognitivo. Maria Vieira Lins de Sousa: 5633 4º pedagogia-matutino

    ResponderExcluir
  145. Concordo com a Maria, pois a criança que tem acesso a escola mais cedo aprende a lidar melhor com o outro, trabalhar em equipe e ainda tem a garantia de uma infância de qualidade dentro dos padrões da educação.
    Shirlei Tenório Cavalcante de Oliveira RGM: 5655 4º Pedagogia matutino

    ResponderExcluir
  146. "a educação passa a ser obrigatória e gratuita para crianças e jovens entre 4 e 17 anos de idade"- Quando se lê esta frase, logo imaginamos- Nossa, esta melhorando muito o quadro da atual educação no país! Cada dia mais os nossos políticos estão se preocupando com os direitos da população brasileira! Será?!
    - Assim como relata no próprio texto citado acima, o Estado de todas as maneiras tenta se eximir da culpa de não estar garantindo boas escolas, um bom planejamento e investimento na educação do país. A falta de oferta e vagas para crianças nas creches é que realmente obriga as famílias de baixa renda, que não tem meios para pagar uma escola particular para seus filhos, mante-los em casa "ociosos".
    Concordo que realmente a educação infantil merece "um olhar mais carinhoso", e que a criança vai se desenvolver muito melhor em uma escola do que em casa, mas se faz necessário realmente "planejar" e se "preocupar" com este assunto, e não simplesmente fazer os pais ficarem como principais culpados por seus filhos estarem ou não matriculados em uma escola. E o Estado e Municípios devem garantir boas escolas, bons professores, vagas suficientes e uma excelente estrutura escolar para todos o pequenos, da mesma forma que não deve ser esquecido a outra etapa da infância (0 a 3) que não tem o amparo total por parte de nossos governantes.
    Daniela S. Oliveira 6017- 4º Pedagogia. Noturno

    ResponderExcluir
  147. Realmente essa lei é um grande avanço para nosso país porém veio para gerar algumas discussões,pois antes de imlantar essa lei nossos governantes deveriam verificar se à escolas suficientes e apropriadas para receberem essas crianças,não é só implantar a lei e pronto, tem que se ter um ensino de qualidade, uma escola com boa estrutura e professores capacitados e comprometidos com a educação.Mas o que importa para esses governantes é a quantidade de crianças matriculadas e não qualidade de ensino.CINTIA L. DE CARVALHO rgm:5872 4° ped noturno.

    ResponderExcluir
  148. Nilzete F. Santos Pegoretti10 de fevereiro de 2014 18:30

    Nilzete F. Santos Pegoretti RGM: 5651 - 4° ped. not.
    A educação está em processo de mudanças a qual acredito que esta lei vai contribuir para que a educação dê um passo maior em direção a formação de cidadãos . Pois acredito que as crianças estando mais cedo no âmbito escolar fará uma diferença no seu repertório cultural a qual vai ampliar seus conhecimentos. Porém não basta que a lei exija dos pais que matriculem suas crianças com quatro anos na escola,o Governo deve fazer sua parte, pois o mesmo necessita estar preparado para atender esta demanda de crianças que alem de qualidade de ensino precisa também de espaços adequados para esta nova etapa em suas vidas.Desta forma acredito que esta lei vai ser uma somatória positiva para nossa educação.

    ResponderExcluir
  149. Patricia Milani 3º PED RGM: 561313 de fevereiro de 2014 14:18

    Entende-se que esta lei é de grande valia para a contribuição na educação de cidadãos com seus direitos e deveres, porém o Governo antes de implantar esta lei devia estar realmente a par das situações encontradas em nossas escolas hoje em dia, se as mesmas estão preparadas o suficiente para este tipo de decisão, onde professores capacitados e prédios com estruturas adequadas fazem toda a diferença.

    ResponderExcluir
  150. Os textos apresentados referem-se às novas leis implantadas com a proposta de melhoria da Educação, além de propiciar a um maior número de crianças o direito de frequentar uma escola regularmente.
    Mas há outra questão em evidência, garantir o direito à educação infantil não é somente criar vagas, vai muito, além disso, deve haver uma mudança em toda a estrutura já existente, como a construção de novas instituições de ensino, para atender a demanda atual dignamente, e a que está por vir a partir dessa nova lei, contratação de novos professores, transporte escolar e merenda de qualidade, enfim, uma verdadeira revolução em todo o sistema de Ensino da atualidade, para oferecer um aprendizado real e eficaz às crianças.

    Edilene Souza – Letras – RGM 5800

    ResponderExcluir
  151. Elisabete Cristiane da Silva - Pedagogia - RGM 6484

    Esta lei parece ser algo que beneficiará em larga escala as crianças e também professores, pois os professores que trabalham com essa idade deixarão de ser visto como babás e passarão a serem vistos como formadores do caráter e constituição do futuro cidadão. A criança com essa idade esta em seu melhor aproveitamento da aprendizagem, por isso iniciar a vida escolar com essa idade será algo fundamental para que lá na frente tenhamos pessoas com melhor aproveitamento do ensino-aprendizagem.

    ResponderExcluir
  152. Juliana Pagliai Xavier Capua - Rgm 6810
    bom eu sou da seguinte opinão, não adianta fazer leis, e sim por elas em pratica ,legal as crianças irem pra escola, ao 4 anos, mas precisamos ver se o professores estão preparado para lidar com elas, e se as escolas terão estruturas para que isso aconteça, porque bem sabemos que o governo não da conta nem das serie que já existe. é o negocio é ficar de olhos bem abertos e não fizerem o jeito é cobrar dos nossos governantes

    ResponderExcluir
  153. Neila Paula Nunes Pêgo RGM:6571 2º Pedagogia

    Essa Lei é importante para conceitualizar os pais da importância da criança na escola pois des de cedo ele vai se tornar uma criança sabia e futuramente um cidadão

    ResponderExcluir
  154. É necessário que a criança tenha um convívio social , para a formação do seus valores iniciais, para que tenha contato com a diversidade e saiba respeitar as diferenças.Garantir que a educação infantil seja um direito é um grande avanço para o país, pois acredita-se que esta nova lei diminua a quantidade de crianças fora do âmbito escolar.
    Porém precisamos de uma educação de qualidade com escolas que oferecem conforto e recursos materiais, que possam acolher essas crianças , e não de uma educação quantitativa para mostrar que os alunos não estão nas ruas fazendo qualquer coisa.

    Viviane Vaculik 5ºA , 5932

    ResponderExcluir
  155. O texto apresenta novas leis implantadas com a proposta de melhoria da Educação que proporciona o direito de frequentar uma escola regular, entre tanto as escolas terão que ser mais capacitadas para colocar a quantidade de crianças desejadas, tendo mais professores e funcionários atendendo as necessidades das crianças e não deixando as de lado como acontece em varias casas onde crianças de 4 anos ficam na rua sozinhos ou em casa só aprendendo o que não deve.
    Tudo isso é valido e satisfatório, pois o educando precisa saber viver em comunidade e também para melhoria em sua educação, ensino, processos escolares.

    Aghata dos S. Souza 5ºA 5640

    ResponderExcluir
  156. Acredito que seja indispensável e de extrema importância que os pais matriculem seus filhos na escola com 4 anos de idade na escola, pois a criança nessa idade está pronta para vivenciar novas descobertas e conhecimentos, em um lugar mais amplo que é a escola, que oferece uma boa estrutura para formar um cidadão.

    ResponderExcluir
  157. ana ligia santos mendonça 62594 de março de 2014 16:49

    Aparentemente a lei tem um propósito pedagogicamente correto,pois visa que a criança aprenda desde cedo a conviver com outras crianças e também a estarem melhor preparadas para serem alfabetizadas,o que irá tornar bem mais fácil o trabalho com as crianças no primeiro ano,no entanto é claro que o País precisa se preparar melhor para atender a enorme demanda,e dois anos é um prazo curto,e principalmente a multa que os pais terem que pagar caso não matricule o filho é absurda,ao invés de conscientizar os país sobre a importância da vida escolar se iniciar mais cedo,segundo a lei parece mais fácil impor.
    A ideia da lei em si é realmente muito boa não há como negar,mas é preciso que todo o país se mobilize para que haja estrutura para que todas essas crianças possam ter uma vaga garantida na escola.

    ResponderExcluir
  158. Patricia de Almeida Camargo Ponte - RGM 2325 de março de 2014 09:24

    Patricia de Almeida Camargo Ponte / RGm 232 5Ped noturno no segundo semestre de 2013 4Ped Noturno
    A personalidade da criança começa desde o nascimento com vida (Artigo 2º do CCB). Então todos devem preservar o bem e todo o conhecimento desta criança, diversas leis de nossa legislação garantem isso, tanto pais como o poder público tem o dever de garantir isso. O que falta é ter um pouco mais de responsabilidade com seriedade para com nossas crianças.

    ResponderExcluir
  159. APARECIDA SANTOS DO NASCIMENTO RGM:6562 3ºPED. MANHÃ
    Esta lei como muitas outras, pode ser vista de 2 maneiras, ou seja, tem um ponto positivo e um negativo.
    Como ponto positivo, temos o objetivo principal da mesma que seria o beneficiamento da criança que desde cedo vai aprender a conviver com outras crianças e a ter um convívio social.
    Como ponto negativo, temos o fato de que como a criança está entrando cedo de mais para a “educação de terceiros”, a sua base familiar pode não estar ainda tão presente a essa idade, fazendo com que os professores tenham que estar preparados para “educação de berço”.
    Mesmo com os pontos apresentados, pode se dizer que uma criança estudando desde os 4 anos está preparada para cursar o 1º ano com uma base mais solida.

    ResponderExcluir
  160. A Nova lei garante o avanço do direito a criança, mas não é somente ter avanço das leis sem que professores e instituições de ensino não estão habilitadas para essa nova fase.
    Será que professores de hoje estão qualificados para que crianças com 8 anos de idade esteja alfabetizada ?
    E muito importante crianças mais cedo nas escolas, pois elas tem muita facilidade de aprender, e sem duvida e importante para a formação no decorrer dos anos letivos da criança.

    Julie dos Santos RGM: 6270 3º Pedagogia noturno

    ResponderExcluir
  161. Concordo que as crianças devem entrar cada vez mais cedo para o convívio escolar,porém acho que Brasil ainda não conseguiu se adaptar a essa nova fase.tenho amigas que precisam chegar ao vice-prefeito para garantir a vaga em uma escola municipal de suzano

    Elaine Alves dos Anjos RGM :7217 Pedagogia (manhã)

    ResponderExcluir
  162. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  163. É possível verificar que a alteração na lei, é mais por uma questão estatística para o próprio governo não possui uma motivação pedagógica, porem o fato de crianças entrarem mais cedo na escola e tendo um acompanhamento como profissionais qualificados o ganho seria muito grande, a questão é será que os estados Brasileiros estão prontos para por em pratica essa lei? Será que vão de fato dá conta da demanda e ainda assim manter a qualidade a qual a lei almeja? Torço para que de fato dê tudo certo já que essa é uma ótima oportunidade ara o pais garantir uma educação de qualidade.
    Cristiana Santos Rgm:5972

    ResponderExcluir
  164. Para a formação das crianças é necessário que ela tenha um convívio social,e que não fique somente nas ruas. As crianças entrando na escola com quatro anos, poderão aprender a interagir mais em um ambiente que seja seguro para seu desenvolvimento. Esta lei pode dar certo, mas depende da colaboração do governo, dos pais e também dos professores para que esta escola seja de qualidade e não somente de quantidade. Dulcinéia Fukuhara,rgm. 5952-4ºA Noturno.

    ResponderExcluir
  165. Sou a favor dessa lei,pois esta traz uma obrigação benéfica para a criança, que começará a ser preparada, educada dentro da idade de 4 anos onde já existe a capacidade de aprender, e a partir ir se desenvolvendo e avançando cada dia mais através de profissionais preparados para isso (ou deveria ser assim), visando o desenvolvimento de forma saudável para a criança para os próximos anos letivos, onde através desse processo ela já estará mais acostumada com o ambiente escolar, social estando mais preparada!
    Leticia Correia Barroso RGM: 6590

    ResponderExcluir
  166. KAREN SILVA LIMA RGM: 59463 de abril de 2014 07:01

    Acredito que esta Lei é digna de aplausos, porem, será que nossa educação tem qualidade a apresentar no ensino destes? Será que o mesmo ensino do Estado de São Paulo é equivalente ao ensino do Amazonas? Crio uma duvida quanto ao assunto, pois acredito que para termos uma educação padrão, alguns detalhes precisam ser aprimorados ou mudados. Temos escolas suficientes para a demanda das crianças ou ainda vamos ver mães lutando por vagas para seus filhos? Primeiro deve-se dar estrutura e depois o ensino, ou seja, neste caso primeiro vem a "Pratica (Estrutura, escolas)" e depois a "Teoria" (O ensino com qualidade).

    ResponderExcluir
  167. Percebe-se a relevância da lei como forma de avanços educacionais e na formação de cidadãos capazes de exercer seus deveres e direitos pois a criança deve sim estar na escola mesmo com pouca idade na escola ela terá acesso a informação que pode levar ao conhecimento não importa a classe social a criança precisa ser preparada para a vida porque deixa-la em casa sozinha enquanto os pais trabalham ? o governo tem a obrigação de capacitar profissionais e estruturar o ambiente escolar mas os pais também precisam fazer sua parte enfim todos juntos em busca da educação pois só assim se constrói um país melhor.
    NADIA DINIZ RAYMUNDO RGM; 6247 LETRAS 3º

    ResponderExcluir
  168. Livia Azevedo RGM 7105
    Com a nossa sociedade capitalista onde o lucro está na mão de quem tem dinheiro e o trabalhador é forçado a trabalhar muito para ganhar muito pouco, sabemos da necessidade das mães de família ingressar no mercado de trabalho, para conseguir no minimo dar um pouco de conforto para sua família e não viver em condições de miséria como vemos muitos no nosso país. Também sabemos que aumentou o numero de mães solteiras, e que a tacha de adolescentes grávidas só esta aumentando sendo ideal o ingresso das crianças cada vez mais cedo nas escolas...porém acredito que não é somente necessário diminuir para 4 anos o ingresso das crianças e sim, aumentar as creches para atender a demanda que só vem a crescer. E principalmente investir em campanhas de conscientização da população da necessidade de um planejamento familiar.

    ResponderExcluir
  169. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  170. Maria de Fátima C. Garcia RGM: 6905,I Pedagogia,manhã 11 de abril de 2014 06:40

    O compromisso é de todos nós nesta resolução,temos que ver a educação como um todo refletirmos cada momento da história,a cada avanço na educação como a lei de 1990 do Estatuto da criança,manifestações para um País melhor.
    No texto,a vigência da lei nos mostra que precisamos ter desafios e tentarmos melhorar esta educação porque é um problema de todos nós,não só regional,mas sim de todos nós, unidos nesta força Educar é aprender todos os dias,é buscar conhecimento,promovendo qualidade de uma escola melhor,do presente e do futuro,canalizarmos meios de um melhor ensino,adquirindo habilidades,treinando as crianças nesta faixa etária de 4 e 5 anos,desde cedo ,e chegarmos a atingir a meta de ate aos 8 anos todas as crianças ter mais habilidade com a leitura e a escrita.
    Esta lei é de grande importância para o crescimento cultural,econômico do pais,as pesquisas nos mostram o avanço na área da educação,mas também muitos ainda infelizmente precisam ser alfabetizados, devemos também nos atentar a cultura do nosso povo, que é um bem da nossa sociedade.

    ResponderExcluir
  171. ÉDIMA RGM:6000 PED NOTURNO14 de abril de 2014 19:54

    Concordo que as crianças tem que ir mais cedo para a escola ,pois a criança nessa idade está pronta para interagir com outras crianças, vivenciar novas descobertas,e conhecimentos, em um lugar mais amplo que é a escola,mas antes tem que ter profissionais capacitados e comprometidos e oferecer mais escolas,pois o país não está preparado para essa mudança , como que os pais vai matricular seus filhos se não tem vaga suficiente?

    ResponderExcluir
  172. Eu sou a favor,porque se a criança entrar nessa fase será algo muito importante para seu desenvolvimento. Espero que até lá tenha escola suficiente para receber essa demanda de crianças e também que tenha profissionais capacitados e ensino de qualidade. Porque não adianta prometer e continuar vendo pais lutando para conseguir vagas nas escola. Camila Faravola RGM: 6249 Pedagogia 3ºsemestre Manhã

    ResponderExcluir
  173. Caroline Estevão dos Santos RGM: 6282
    3º Pedagogia Noturno

    Eu acredito que essa lei seja de grande importância para a educação nacional, pois com a entrada de crianças de 4 anos na escola, as mesmas passam a ter uma convivência social diversificada, pois inclui-se no cotidiano dessa criança um profissional apto para levá-lo a vivenciar diversas situações pedagógicas. No entanto, é preciso que as instituições, tenham profissionais qualificados e preparados e é ainda mais necessário, ter escolas suficientes para atender ao grande número de crianças que deveriam realmente serem matriculadas. Não trará resultados positivos, implantar uma lei e ao mesmo tempo, colocar excesso de alunos por turma pelo fato de não haver espaços suficientes, pois quantidade está sim atrelada à qualidade. Enquanto não passar de lei que está apenas no papel, nenhuma mudança positiva terá. É preciso mais que isso, é necessário que se trabalhe diariamente para uma educação realmente para todos.

    ResponderExcluir
  174. Acredito que essa lei venha para aumentar o desenvolvimento das crianças em nosso país, é com uma base bem estruturada que teremos uma mudança na educação. Com o inicio estudantil começando aos 4 anos de idade, teremos mais qualidade na educação ao decorrer dos anos seguintes, mas não podemos esquecer que a qualificação adequada dos profissionais de ensino é primordial para uma educação de qualidade.
    Suelen Fernanda Bernardo Ribeiro. Rgm:6203 2 Semestre Noturno.

    ResponderExcluir
  175. Jéssica Martins dos Santos RGM 6106 4º pedagogia Noturno

    Fazer com que a criança entre na escola com 4 anos de idade pode até parecer uma solução para os problemas da educação no Brasil acrescentando mais um ano em sua vida escolar, mas os problemas que encontramos nas escolas hoje é muito mais delicado do que apenas garantir um ano a mais em sua escolaridade alguns especialistas defendem de arma em punho que crianças que ingressam na escola aos 4 anos refletem positivamente no desenvolvimento escolar.
    A insuficiência no aprendizado das crianças brasileira da escola pública está na raiz da desigualdade e da exclusão a educação só ira melhorar a partir do momento em todos tiveram uma educação de qualidade e para que isso ocorra o plano de educação deve ser cumprido dessa maneira nosso país poderá se orgulhar de oportunizar uma educação de qualidade para todos.

    ResponderExcluir
  176. Jéssica Martins dos Santos RGM 6106 4º pedagogia Noturno

    Fazer com que a criança entre na escola com 4 anos de idade pode até parecer uma solução para os problemas da educação no Brasil acrescentando mais um ano em sua vida escolar, mas os problemas que encontramos nas escolas hoje é muito mais delicado do que apenas garantir um ano a mais em sua escolaridade alguns especialistas defendem de arma em punho que crianças que ingressam na escola aos 4 anos refletem positivamente no desenvolvimento escolar.
    A insuficiência no aprendizado das crianças brasileira da escola pública está na raiz da desigualdade e da exclusão a educação só ira melhorar a partir do momento em todos tiveram uma educação de qualidade e para que isso ocorra o plano de educação deve ser cumprido dessa maneira nosso país poderá se orgulhar de oportunizar uma educação de qualidade para todos.

    ResponderExcluir
  177. KAREN SILVA LIMA RGM:59461 de maio de 2014 19:32

    É valido a lei que incentiva a obrigatoriedade dos pais matricularem suas crianças nas redes de ensino a partir dos 4 anos de idade, porem, não é da noite pro dia que se tapa um buraco que foi aberto a anos e que está cada vez maior: O acesso de todos a rede de ensino. Como todos sabem, no nosso país ainda temos crianças que estudam em escolas de lata, sem energia elétrica, sem agua potável para beberem quando sentirem sede, sem condições nenhuma de um ambiente que possam apresentar a seus país como "escola".
    Vivemos em um país que aparece em penúltimo lugar no ranking internacional de educação, ficando apenas a frente da Indonésia, ou seja, o desempenho educacional de nosso país está muito abaixo do ideal. Mas aí aparece a pergunta: A obrigatoriedade de que os pais matriculem seus filhos na pré-escola é valida quando temos uma má qualidade de ambiente e de estrutura de ensino? Acredito que seja pequena o deslize de alguns pais ainda não cumprirem com a lei, porem, não se pode generalizar culpando os pais por não enviarem seus filhos a escola, quando a distancia os impede de chegar, quando não há vagas nas escolas, quando não há professores para lecionar, entre outros.
    A lei é valida e obrigatória, mais o direito a educação de qualidade tem que ser o foco!

    ResponderExcluir
  178. Denise Hernandes RGM 62972 de maio de 2014 09:49

    Após o cumprimento desta lei podemos dizer que o desenvolvimento dos alunos terá um grande rendimento, pois, sera um ano a mais para que seja aprimorado a aprendizagem dos mesmos. Devemos apenas enfatizar a ideia de que não é obrigatório que o aluno vá para o primeiro ano já lendo, pois os pais estão se confundindo e estão destorcendo esta nova lei e mudando por si próprios os deveres e comprimentos da mesma.
    Denise Hernandes 3° pedagogia Noturno

    ResponderExcluir
  179. O objetivo é assegurar a toda a criança um tempo maior de convívio escolar, maiores oportunidades de aprender e, com isso, uma aprendizagem com mais qualidade.

    Josi Helen Moura RGM 5725

    ResponderExcluir
  180. Roberta Cristiane Rodrigues RGM 6422 2° pedagogia matutino

    Nos dias de hoje, é importante mesmo que as crianças frequente a escola mais cedo pois assim, elas tem a oportunidade de aprender mais cedo, as crianças de hoje estão bem mais desenvolvidas e espertas, elas acabam se adaptando bem dentro da escola.

    ResponderExcluir
  181. AMANDA GIROTTI RGM: 61397 de maio de 2014 19:27

    É muito importante que as crianças de 4 anos já tenham contato com a escola é bom que o poder público se disponha a oferecer educação a partir dos 4 anos, mas seria ainda melhor se o Estado garantisse as vagas respeitando a liberdade das famílias,educando bem as crianças desde de novos, tanto na família quanto na escola, é fundamental para que o nível educacional de um país possa avançar.
    AMANDA RGM: 6139

    ResponderExcluir
  182. Aline de Campos RGM: 639014 de maio de 2014 11:42

    Essa lei foi ótima para a criança, pois ela entrando aos 4 anos na escola terá um preparo para os próximos anos, será bom também para adaptação na escola, convívio social. Espero que tenha escola para matricular todas essas crianças e profissionais qualificados para recebe-las, fazendo um bom trabalho e assim auxiliar no avanço da Educação do nosso País.

    ResponderExcluir
  183. A lei que obriga pais a matricular crianças a partir dos 4 anos de idade na pré-escola é de grande importância não só para o docente mas para a vida acadêmica da criança. As escolas públicas e municipais devem se preparar para receber e acomodar crianças, e adolescentes até porque a carência de espaço e preparação é de grande proporção.
    A criança precisa interagir e se envolver com as diferenças com isso aprendendo desde cedo a respeitar o espaço do próximo.
    Mas é claro que existe interesses políticos na integração de crianças menores nas escolas em meu olhar critico mas apreciativo o governo não está só com interesse em um ensino com mais qualidade deveria também pensar nas condições escolares.
    Nome: Dayane da Silva RGM: 6910 I Pedagogia B ( Matutino)

    ResponderExcluir
  184. A lei é importante e acredito que seja bom para a criança enquanto integração umas com as outras, mas do ponto de vista de aprendizado escolar não acredito que influencie muito, pois a criança apenas aprenderá a escrever e a ler anos mais tarde; quanto a fala, a criança interage com a própria família. Infelizmente, em muitos casos, a escola para crianças desta idade acaba se tornando um lugar para os pais "deixarem" seus filhos enquanto fazem outras coisas.
    A Lei é interessante desde que haja uma interação com a escola e a família, aliás, esta interação não deve ser perdida durante os anos escolares dos alunos.

    Raquel Moura - RGM: 5851 - 5º Letras

    ResponderExcluir
  185. Fabiana Aparecida Gordoni RGM 6882- 1º Pedagogia Matutino Turma A

    A educação está passando por uma grande transformação, principalmente com ajuda da tecnologia que está mostrando novos caminhos e serem seguidos, novas formas de ensinar e nos ajudando a lidar com a nova geração. Queremos uma escola com educação de qualidade, mas acredito que podemos melhorar a que temos com muita dedicação e força de vontade.

    ResponderExcluir
  186. Aline Raíssa de Lima Silva Borba RGM:6198 3° Pedagogia Matutino

    A implantação da lei para que crianças que tem 4 anos ingresse na educação infantil será muito importante pois as futuras gerações entrará na nova mudança onde educação e tecnologia andam juntos mais a questão será que temos condições de ingressar esses novos educandos com um ensino de qualidade? Tem que ser bem planejado o sistema da educação ainda é muito falho mais queremos novas mudanças e procuramos sempre uma qualidade de ensino ruma ao progresso.

    ResponderExcluir
  187. Bianca Pelossi Raposo Dantas 6353 3º pedagogia noturno

    A lei foi ótima para as crianças, assim elas estão na escola mais cedo e aprendem a socializar-se com as outras crianças, ao convivio social.
    Ao iniciar com 4 anos a criança se desenvolve melhor, terão mais qualidade no decorrer dos anos seguintes e a aprendizagem se torna algo mais significativo na vida dela.

    ResponderExcluir
  188. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  189. Denise Hermínia RGM: 6245 3° Letras

    A obrigatoriedade do ensino mostra seu lado bom e o ruim, pois o ideal seria que tivéssemos escolas suficientes e de qualidade para crianças dessa faixa etária e que os pais desde cedo já as matriculassem por saberem a importância da educação na vida de um individuo desde cedo, porém essa lei veio em um momento em que a educação não possui mais valor e é necessário criar regras e punições que façam com que os responsáveis os coloquem nas escolas. A iniciativa do governo tem intenções positivas a respeito das crianças, no entanto demonstra a desvalorização da educação no Brasil.

    ResponderExcluir